Bielorrússia: relatório da ONU revela extensão das violações na repressão aos direitos humanos |

Bielorrússia: relatório da ONU revela extensão das violações na repressão aos direitos humanos |



O relatório detalha as conclusões da análise do ACNUDH sobre a situação dos direitos humanos na Bielorrússia, mandatada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU.

A revisão abrange o período que antecedeu as disputadas eleições de 9 de agosto de 2020 – nas quais o presidente Alexander Lukashenko reivindicou a vitória em meio a alegações generalizadas de fraude eleitoral – até 31 de dezembro de 2021, com base em 145 entrevistas em primeira mão, bem como “análise de uma ampla gama de informações e evidências”, disse o ACNUDH.

Sem justiça: Bachelet

“O exame não apenas expõe as violações infligidas a pessoas que tentam exercer seus direitos humanos fundamentais, mas destaca a incapacidade das vítimas de aceder à justiça”, disse a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

As ações extensas e sustentadas das autoridades para reprimir a dissidência e reprimir a sociedade civil, a mídia independente e os grupos de oposição, ao mesmo tempo em que protege os perpetradores, aponta para uma situação de total impunidade na Bielorrússia“, ela adicionou.

Quando a vitória foi declarada pelo presidente em agosto, centenas de milhares se reuniram para expressar sua oposição pacificamente, enfrentando uma “repressão maciça e violenta”, diz o relatório, com prisões e detenções atingindo uma escala sem precedentes na Bielorrússia.

O relatório diz que o testemunho indica que as prisões foram em grande parte aleatórias, com as forças de segurança perseguindo e subjugando qualquer pessoa ao alcance.

‘Clima de medo’

Além disso, homens sem insígnias e usando balaclavas participaram da dispersão forçada dos protestos, “criando um clima de medo e ilegalidade”, diz o relatório. O uso amplo de força desnecessária e desproporcional violou repetidamente os direitos das pessoas, inclusive à liberdade de expressão, reunião e associação.

Entre maio de 2020 e maio de 2021, pelo menos 37.000 pessoas foram detidas, muitos deles colocados em detenção administrativa por até 15 dias. Cerca de 13.500 pessoas foram arbitrariamente presas e detidas apenas entre 9 e 14 de agosto.

O relatório indica que a tortura e os maus-tratos foram generalizados e sistemáticos, com indivíduos visados ​​por sua oposição real ou percebida ao governo ou aos resultados das eleições.

Muitas vítimas temiam apresentar queixa, enquanto aquelas que o fizeram tiveram seus casos arquivados.

Prisões se enchendo

No final do ano passado, 969 pessoas estavam detidas sob o que a investigação do ACNUDH sugere serem acusações puramente politicamente motivadas, com vários ativistas recebendo sentenças de 10 anos ou mais. Em 4 de março, esse número havia subido para 1.084.

Após a eleição, o Governo continuou a perseguir aqueles que pretendem exercer os seus direitos.

Em setembro de 2020, as autoridades começaram a apresentar queixa contra figuras da oposição, defensores dos direitos humanos, jornalistas, advogados e cidadãos comuns, uma tendência que se manteve ao longo de 2021, com o Governo a aprovar também uma série de alterações legislativas que restringiram ainda mais o exercício das liberdades fundamentais.

Críticos segmentados

A sociedade civil e as organizações de direitos humanos, bem como a mídia independente, continuaram a ser alvos, diz o ACNUDH.

Em outubro, 270 ONGs foram fechadas e, no final do ano, 32 jornalistas foram detidos e 13 meios de comunicação declarados “extremistas”.

Advogados que defenderam dissidentes, falaram sobre violações de direitos humanos ou levaram casos para mecanismos de direitos humanos da ONU, foram detidos, intimidados, enfrentaram sanções disciplinares ou até foram expulsos.

Em novembro de 2021, 36 advogados perderam suas licenças, disse o ACNUDH.

Conclusões

O exame do ACNUDH concluiu que “indivíduos foram alvejados seguindo um padrão consistente de uso desnecessário ou desproporcional da força, prisões, detenções – incluindo detenção incomunicável – tortura ou maus-tratos, estupro e violência sexual e de gênero e a negação sistemática do devido processo legal e direitos de julgamento justo”, disse um comunicado de imprensa que acompanha o relatório.

O relatório também conclui que a escala e os padrões das violações identificadas, sua natureza generalizada e sistemática, e a evidência da política oficial, conhecimento e direção da implementação da política pelas autoridades bielorrussas, requer uma avaliação mais aprofundada das evidências disponíveis do ponto de vista da legislação internacional aplicável. lei criminal.

Bielorrússia violar o direito internacional

O fracasso em investigar efetivamente as violações dos direitos humanos viola as obrigações da Bielorrússia sob a lei internacional dos direitos humanosdiz o relatório, acrescentando que, além da falta de investigações, “havia uma política ativa para proteger os perpetradores e evitar a responsabilizaçãorefletido no nível de represálias, intimidação de vítimas e testemunhas, ataques a advogados e defensores de direitos humanos”.

O relatório faz recomendações detalhadas à Bielorrússia e a outros Estados, para que trabalhem no sentido de responsabilização através dos processos legais disponíveis, por graves violações do direito internacional dos direitos humanos na Bielorrússia.

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.