Bienal de Veneza: Contra todas as probabilidades, um artista ucraniano e seus curadores trazem ‘Fonte da Exaustão’ para Veneza

Bienal de Veneza: Contra todas as probabilidades, um artista ucraniano e seus curadores trazem 'Fonte da Exaustão' para Veneza


Na noite de 24 de fevereiro, poucas horas depois que a Rússia lançou seu ataque total à Ucrânia, a curadora de arte Maria Lanko entrou em seu carro e deixou sua casa em Kiev. Incerta de seu plano exato e com uma jornada potencialmente perigosa pela frente, ela colocou apenas alguns itens pessoais em seu baú junto com 78 funis de bronze pertencentes a um dos artistas vivos mais importantes do país, Pavlo Makov. Sua missão era expulsá-los do país em segurança.

No verão passado, Makov, de 63 anos, e sua equipe de curadores – incluindo Lanko – venceram uma licitação para representar a Ucrânia na Bienal de Veneza, um prestigiado evento internacional conhecido como “Olimpíadas” do mundo da arte. Os funis eram partes cruciais da entrada proposta, uma escultura de fonte de água chamada “Fonte da Exaustão”.

A obra de arte foi concebida pela primeira vez em Kharkiv, uma cidade no nordeste da Ucrânia, onde Makov viveu e trabalhou por mais de três décadas. Era meados dos anos 90, e o país pós-soviético ainda estava passando por um período de transição depois que seu povo votou pela independência em um referendo de 1991. A fonte pretendia ser uma metáfora para a exaustão social e política que Makov testemunhou enquanto seu país enfrentava os desafios cívicos e econômicos da reconstrução de um estado independente. A constante escassez de água na cidade também o inspirou a ver o projeto de uma perspectiva ecológica enquanto ruminava a ideia de que os recursos são finitos.

Ao longo dos anos, a “Fonte da Exaustão” assumiu muitas formas, desde esboços e gravuras até desenhos técnicos e instalações físicas. A versão planejada para Veneza era para ser a primeira fonte em pleno funcionamento, com os 78 funis montados de tal forma que o fluxo inicial de água se divide repetidamente à medida que desce pelo arranjo triangular, seu fluxo enfraquecendo até atingir o inferior.

Assista à incrível jornada feita pela equipe de arte ucraniana para chegar a Veneza Crédito: VINCENZO PINTO/AFP/Getty Images

Na semana anterior à invasão da Ucrânia pela Rússia, Makov e sua equipe fizeram um teste na fonte recém-construída para garantir que a água fluísse adequadamente. Graças ao projeto e assistência técnica da Forma (ФОРМА), um escritório de arquitetura com sede em Kiev, a instalação funcionou. A equipe estava exultante.

Logo depois disso, tudo mudou. Enquanto a ameaça de conflito crescia, dando tempo à equipe para considerar os planos de contingência, o ataque repentino à Ucrânia fez com que a possibilidade de inaugurar a instalação em Veneza, então a menos de dois meses, parecesse impossível.

A viagem da Ucrânia para a Itália

A segurança pessoal foi a prioridade da equipe nos primeiros dias do conflito, enquanto eles montavam planos de fuga e abrigo com familiares e amigos. Uma das co-curadoras de Lanko, Lizaveta German, estava grávida e morava em um apartamento em Kiev quando a guerra começou. A poucos dias da data prevista para o lançamento dos primeiros mísseis, German queria ficar na cidade para ficar perto de sua maternidade. Mas à medida que a situação piorava, ela e o marido tomaram a difícil decisão de se mudar para o oeste, para a capital cultural da Ucrânia, Lviv, uma cidade que estava sob ameaça menos imediata. Lá, ela foi acompanhada pelo terceiro co-curador do projeto, Borys Filonenko.

Lanko, enquanto isso, ainda estava dirigindo. Depois de seis dias na estrada, os 78 funis amontoados em três caixas, ela cruzou a fronteira para a Romênia. Mais tarde, exausta da viagem quase constante, ela fez uma parada para descanso em Budapeste, na Hungria, antes de terminar na capital da Áustria, Viena.

Pavlo Makov por uma versão da 'Fonte da Exaustão' montada na casa de Oleh Mitasov em Kharkiv (1996)

Pavlo Makov por uma versão da ‘Fonte da Exaustão’ montada na casa de Oleh Mitasov em Kharkiv (1996) Crédito: Cortesia de Pavlo Makov

Lá ela esperou por Makov, que estava trabalhando em seu próprio plano de evacuação. Ele estava em Kharkiv quando a guerra começou, reunindo sua família em seu apartamento nos primeiros dois dias. Mas a cidade estava sob um bombardeio tão pesado que eles foram forçados a ficar em um abrigo antiaéreo por quase uma semana e, à medida que a situação piorava, o artista decidiu fugir, dirigindo para fora da cidade com sua mãe de 92 anos, sua esposa e duas outras mulheres.

German deu à luz um menino em 16 de março em Lviv. Falando à CNN em um hotel da cidade dez dias depois, ela refletiu sobre o papel da arte em tempos de crise extrema. “Acredito que a arte tem esse potencial simbólico para celebrar a vida das pessoas e mostrar que ainda estamos aqui – para mostrar que a Ucrânia não é apenas uma vítima da guerra”, disse ela.

A essa altura, Lanko havia chegado à Itália. Ela encontrou uma produtora em Milão que concordou em recriar as partes da instalação que ela havia deixado na Ucrânia.

De repente, parecia que – contra todas as probabilidades – eles chegariam a Veneza. Também havia um sentimento crescente entre os membros da equipe de que deveriam atuar como embaixadores de seu país. Enquanto seus companheiros ucranianos lutavam contra a Rússia na linha de frente, serviam em hospitais e faziam trabalhos voluntários, Makov e sua equipe estavam começando a montar um tipo diferente de defesa contra a invasão.

“A arte ucraniana foi ofuscada há muito tempo pela Rússia”, disse German, segurando seu bebê perto do peito. “O campo cultural tem que ser um campo de batalha também, e nós temos que lutar.”

Semanas depois, Lanko, Filonenko, Makov e German (com seu bebê) acabaram se reunindo em Veneza para completar os preparativos finais juntos.

Atenção ‘paga com sangue’

Falando na segunda-feira, dois dias antes da apresentação do projeto à imprensa, Makov disse que não se considera um artista, mas sim um cidadão da Ucrânia, cujo dever é representar seu país.

“Percebi que seria importante que a Ucrânia estivesse representada (na Bienal)”.

Nikita Kadan 'Dificuldades de Profanação II' (2015-2022) com Lesia Khomenko's "Max no exército" no fundo

Nikita Kadan ‘Dificuldades de Profanação II’ (2015-2022) com “Max no exército” de Lesia Khomenko ao fundo Crédito: Pat Verbruggen/Cortesia Pinchuk Art Center e Fundação Victor Pinchuk

Com um afluxo de interesse da mídia e do mundo da arte, a escultura, outrora uma ampla reflexão sobre como o mundo se esgotou, ganhou um novo significado. Por padrão, tornou-se uma peça de “arte de guerra” – e estar no centro das atenções provou ser difícil para a equipe. “É um pouco pago com sangue”, disse Lanko.

“Recebemos toda a atenção porque entendemos que somos os ‘falantes’ no momento – os embaixadores de nosso país e de nossa cultura”, continuou ela, explicando que espera que a conversa em torno do pavilhão possa abordar mais a arte ucraniana geralmente.

Como se vê, Makov não foi o único artista ucraniano cujo trabalho esteve em exposição durante a semana de abertura da Bienal de Veneza. Uma obra solitária da falecida Maria Prymachenko está sutilmente pendurada perto da entrada do pavilhão principal, na área de Giardini do festival – uma homenagem discreta a um dos artistas mais conceituados do século 20 do país, cujo nome ganhou as manchetes no mês passado quando um museu contendo mais mais de uma dúzia de suas obras foi atacada por forças russas. Teme-se que nem toda a arte tenha sido recuperada do incêndio.

Uma mensagem do presidente

Mais adiante, em um prédio a cerca de 30 minutos a pé do principal local da Bienal, há também uma exposição de trabalhos feitos por artistas ucranianos nas últimas semanas. É um lembrete poderoso das muitas pessoas criativas que foram impactadas pela guerra e outro exemplo da determinação e resiliência dos artistas ucranianos.

Uma versão em papel anterior de 'Fountain of Exhaustion' (1995)

Uma versão em papel anterior de ‘Fountain of Exhaustion’ (1995) Crédito: Cortesia de Pavlo Makov

Uma dessas artistas, Lesia Khomenko, está mostrando uma série de retratos em grande escala chamados “Max no exército”, que ela batizou em homenagem a um de seus súditos: seu marido, Max, que se juntou à resistência militar. Outro trabalho, “Dificuldades de Profanação II”, de Nikkita Kadan, vê grandes pedaços de estilhaços e escombros – coletados de Donbas em 2015 durante o último ataque russo à Ucrânia e depois de Kiev em 2022 – pendurados em um quadro.

Falando via vídeo no evento de abertura da exposição, o presidente Volodymyr Zelensky, da Ucrânia, disse: “A arte pode dizer ao mundo coisas que não podem ser compartilhadas de outra forma”, ao exortar o público a apoiar seu país com arte, palavras e sua “influência”.

O curador da exposição, Björn Geldhof, orquestrou a mostra em apenas quatro semanas. Durante um passeio pelo espaço, ele disse: “Criar em tempo de guerra não é fácil. Mas uma das coisas que queríamos fazer é mostrar a incrível resiliência que os artistas contemporâneos ucranianos têm”.

Essa força de caráter estava em plena exibição no pavilhão da Ucrânia em seu dia de abertura. Uma conferência de imprensa para marcar a inauguração começou com um momento de silêncio para o povo na Ucrânia. E enquanto a mídia e os visitantes continuaram a dar sugestões de que a equipe por trás da instalação são heróis, Makov e seus curadores afastaram chavões lembrando às pessoas que os verdadeiros heróis são aqueles no campo de batalha, nos hospitais e nas áreas sitiadas.

Pavlo Makov e sua equipe curatorial (Lizaveta German, Maria Lanko e Borys Filonenko) ao lado de Kateryna Chueva, Vice-Ministra da Cultura e Política de Informação da Ucrânia e Ilya Zabolotnyi, chefe do Fundo Ucraniano de Arte de Emergência

Pavlo Makov e sua equipe curatorial (Lizaveta German, Maria Lanko e Borys Filonenko) ao lado de Kateryna Chueva, Vice-Ministra da Cultura e Política de Informação da Ucrânia e Ilya Zabolotnyi, chefe do Fundo Ucraniano de Arte de Emergência Crédito: Cortesia do Pavilhão da Ucrânia, Bienal de Veneza 2022

A equipe também foi avaliada em sua avaliação da capacidade da arte de acabar com o conflito. “Estou sempre dizendo que a arte é mais um diagnóstico do que um remédio”, disse Makov. “Não tenho certeza se isso pode salvar o mundo, sabe? Mas pode ajudar a salvar o mundo.”

Falando semanas antes, Lanko havia expressado opiniões semelhantes: “A arte não vai parar a guerra agora, mas pode parar a próxima”, disse ela.

Para German, a “Fonte da Exaustão” não é um símbolo de otimismo, mas ela acredita que o fato de terem chegado a Veneza “dá esperança” e mostra que a Ucrânia é capaz de avançar nos tempos mais sombrios.

“Mesmo que a guerra ainda esteja por aí, somos capazes de construir nosso futuro.”

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.