Chefe de ajuda da ONU descreve prioridades humanitárias imediatas para a Ucrânia |

Chefe de ajuda da ONU descreve prioridades humanitárias imediatas para a Ucrânia |


O Sr. Griffiths, juntamente com Catherine Russell, chefe do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), informou os embaixadores sobre como a ONU e seus parceiros estão respondendo às necessidades crescentes desde que a ofensiva russa começou há 11 dias.

“As pessoas estão assistindo enquanto esse conflito desnecessário envolve cidades e civis. Além do que está acontecendo na Ucrânia, eles têm uma sensação extra de pavor sobre o impacto que isso terá no mundo em geral. Eu me incluo nesta categoria”, ele disse.

Diminua o sofrimento

O Sr. Griffiths, que também é o Coordenador Humanitário da ONU, delineou três prioridades imediatas “para diminuir a dor e o sofrimento que todos estamos assistindo se desenrolar em tempo real.”

Primeiro, as partes devem tomar cuidado constante para garantir que as operações militares poupem civis, casas e outras infraestruturas. Além disso, as pessoas que desejam deixar áreas de hostilidades ativas devem ser autorizadas a fazê-lo de forma segura e voluntária.

Como os civis em lugares como Mariupol, Kharkiv e outros lugares sob ataque precisam desesperadamente de ajuda, especialmente suprimentos médicos que salvam vidas, também é necessária uma passagem segura para suprimentos humanitários.

Seu terceiro ponto destacou a necessidade urgente de um sistema de comunicação constante com as partes para apoiar a entrega de ajuda. Ele explicou que sistemas de notificação humanitária foram implementados em outras situações.

Falando para os lados

“Já transmiti esses três pontos às autoridades da Ucrânia e à Federação Russa”, disse o Sr. Griffiths, que também é o Coordenador Humanitário da ONU.

Uma equipe de seu escritório foi enviada a Moscou para trabalhar em uma melhor coordenação humanitária civil-militar, que segue um telefonema na sexta-feira entre o secretário-geral da ONU, António Guterres, e o ministro da Defesa do país, Sergei Shoigu.

Também foi realizada uma primeira reunião técnica com representantes do Ministério.

“Saúdo a cooperação de ambos os lados e espero sinceramente ver mais progressos nas próximas horas”, disse. disse o Sr. Griffiths.

Adaptando-se ao ‘impensável’

A ONU e seus parceiros já estavam na Ucrânia antes da escalada, apoiando cerca de 1,5 milhão de pessoas na região de Donbass afetadas por oito anos de combates entre forças do governo e separatistas pró-Rússia.

Nas semanas anteriores ao ataque russo, eles já haviam começado a se preparar para o pior. O Sr. Griffiths disse que “à medida que o impensável se tornou realidade”, eles lançaram uma operação humanitária escalável e ágil que poderia se adaptar à situação em mudança.

Nos últimos 11 dias, os humanitários alimentaram centenas de civis, com o Programa Mundial de Alimentos (PAM) estabelecendo operações na cadeia de suprimentos para entregar comida imediata e assistência em dinheiro para até cinco milhões de pessoas na Ucrânia.

A agência de saúde da ONU, a OMS, enviou atendimento a traumas, equipamentos de cirurgia de emergência e outros suprimentos, com mais a caminho. Até agora, o conflito forçou mais de 1,7 milhão de pessoas a fugir para países vizinhos, principalmente a Polônia, e a agência de refugiados da ONU, ACNUR, está prestando apoio a eles.

Outras iniciativas da ONU incluíram a nomeação de um Coordenador de Crise para a Ucrânia e o lançamento na semana passada de dois planos humanitários “robustos” para apoiar as pessoas no país e aqueles que cruzaram as fronteiras.

A assistência humanitária continuou em áreas onde a segurança permite, disse Griffiths ao Conselho.

“Sob a liderança do Coordenador de Crise e do Coordenador Residente e Humanitário no país, temos novos planos agora, é claro, sobre como atender onde as necessidades humanitárias são mais agudas”, ele disse.

“Isso inclui as cidades que vimos tanto nestes últimos dias, como Mariupol, Kharkiv e Kherson. Nossa resposta está sendo ampliada a partir de centros em Vinnutsya, Uzhorod e Lviv.”

‘Indignação moral’

A Sra. Russell, do UNICEF, informou que os últimos oito anos de conflito já causaram danos profundos e duradouros às 7,5 milhões de crianças na Ucrânia, e as ameaças só aumentaram com a crise atual.

Desde que os combates começaram, pelo menos 27 meninos e meninas foram mortos e 42 ficaram feridos. O UNICEF espera que o número de vítimas de crianças, bem como o deslocamento, aumente. Metade dos refugiados são crianças.

Enquanto isso, casas, escolas, orfanatos e hospitais foram atacados, enquanto instalações de água e saneamento e outras infraestruturas civis foram atingidas, afetando milhões.

“O que está acontecendo com as crianças na Ucrânia é um ultraje moral”, disse a Sra. Russell, entregando seu primeiro briefing do Conselho desde que foi nomeada em dezembro.

“As imagens de uma mãe e seus dois filhos e um amigo morto na rua – atingido por um morteiro enquanto tentavam fugir para um local seguro – devem chocar a consciência do mundo. Devemos agir para proteger as crianças dessa brutalidade”.


Catherine Russell, Diretora Executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), informa a reunião do Conselho de Segurança sobre as ameaças à paz e segurança internacionais.

Foto da ONU/Eskinder Debebe

Catherine Russell, Diretora Executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), informa a reunião do Conselho de Segurança sobre as ameaças à paz e segurança internacionais.

Prova ‘aterrorizante’

A Sra. Russell esteve recentemente na fronteira Ucrânia-Romênia, onde conheceu crianças e mães.

“As crianças falaram sobre serem repentinamente retiradas da escola, perderem brinquedos amados e o som aterrorizante de bombardeios e tiros. Tantas crianças ficaram profundamente traumatizadas”, ela relatou.

Atualmente, o UNICEF tem 135 funcionários na Ucrânia, com mais funcionários sendo destacados. As equipes apoiadas pela agência estão alcançando as crianças onde quer que possam, fornecendo assistência psicossocial, apoio à saúde mental e serviços de proteção.

Outras ações incluem o estabelecimento de centros ‘Blue Dot’ em passagens de fronteira em países que hospedam refugiados ucranianos. Os polos são um espaço seguro para crianças e famílias, oferecendo serviços como apoio psicossocial, aconselhamento jurídico básico e locais para brincar.

A brutalidade deve acabar

A agência e o ACNUR também pediram maior proteção para crianças desacompanhadas e separadas que cruzam fronteiras e para cerca de 100.000 crianças na Ucrânia que vivem em instituições de assistência ou internatos, metade das quais com deficiência.

Enquanto o UNICEF “continuará fazendo tudo” para apoiar as crianças da Ucrânia, “a brutalidade deve acabar”, afirmou a Sra. Russell.

“As crianças na Ucrânia precisam de ajuda e proteção. Eles precisam de suprimentos e outros suportes críticos. Eles precisam de acesso a serviços sociais básicos, como saúde e educação. Eles precisam de esperança para o futuro. Mas acima de tudo as crianças na Ucrânia precisam de paz. É a única solução sustentável”, ela disse.

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.