Como os EUA podem transformar a Europa no pesadelo de Putin

Putin needs to know that in addition to crushing economic sanctions and a fierce military resistance from the Ukrainians he seeks to subjugate, he will face significantly enhanced US combat power on his border, alongside stronger Western European forces.


A primeira é a imposição de sanções incapacitantes, que com o tempo estrangularão a economia russa. A segunda é o apoio militar aos ucranianos e a promessa de ajudar a treinar, organizar e equipar as forças convencionais e, finalmente, se necessário, uma poderosa resistência.

A terceira tática central é dar a Putin exatamente o que ele não quer: uma Organização do Tratado do Atlântico Norte mais unida com muito mais poder militar perto das fronteiras da Rússia.

Qual é o papel dos EUA em catalisar a OTAN e especialmente em estacionar tropas americanas na Europa? Como será a pegada militar americana na Europa à medida que esta crise se desenrolar?

Quando eu era o comandante supremo aliado da OTAN, com meu quartel-general em Mons, Bélgica, eu tinha um “chapéu” adicional no jargão militar. de defesa para todas as forças americanas dentro e ao redor da Europa.Nessa função, meu quartel-general ficava em Stuttgart, Alemanha, e dividi o tempo entre esses dois locais.

O Comando Europeu tem quase 100.000 militares dos EUA – alguns estacionados permanentemente, outros entrando e saindo – espalhados por 51 países e 21 milhões de milhas quadradas. Inclui a responsabilidade pela atividade militar em toda a Europa Ocidental e em todos os países da OTAN, e também na Rússia, Bielorrússia, Ucrânia, Cáucaso e outros pontos críticos da guerra ucraniana. Embora ainda seja um comando militar maciço hoje, o Comando Europeu encolheu consideravelmente em relação ao pico da Guerra Fria de mais de 400.000 soldados, e sua presença geográfica também mudou.

Durante meu tempo, estávamos retirando tropas da Europa, tanto para apoiar operações de combate no Afeganistão e no Iraque, quanto porque acreditávamos que a Europa era “inteira e livre”. que a Rússia ainda representava uma ameaça significativa aos interesses dos EUA, e especialmente aos aliados da OTAN e parceiros próximos, como a Geórgia e a Ucrânia.

Nossa pegada continuou a diminuir, apesar dos apelos de parceiros da OTAN como Estônia, Letônia e Lituânia, que constantemente me alertavam sobre a ameaça da Rússia de Putin.

Hoje, é claro, estamos em um mundo diferente. É claramente hora de mover mais poder de combate para as fronteiras orientais da aliança, fora das guarnições confortáveis ​​na Bélgica, sudoeste da Alemanha, norte da Itália e Estados Unidos.

Fazer isso desencorajará militarmente qualquer aventureirismo russo, particularmente ao longo das fronteiras da OTAN; encorajar aliados e parceiros no Leste, nomeadamente os Estados Bálticos e a Polónia; e enviar um forte sinal diplomático e político a Putin de que seu ataque à Ucrânia apenas energizará a aliança para mais operações.

O melhor lugar para transferir o poder de combate adicional dos EUA é para a Polônia. A Polônia agora é um estado da linha de frente, com forças russas realizando duras operações de combate do outro lado da fronteira com a Ucrânia. Os poloneses vêm pedindo forças estadunidenses permanentemente estacionadas desde o meu tempo na Europa e estão dispostos a fornecer financiamento para bases e infraestrutura para apoiar nossas tropas e suas famílias (no Comando Europeu, a grande maioria das tropas está estacionada com seus famílias em bases protegidas tanto pelas forças dos EUA quanto pela nação anfitriã).

Taticamente, a localização central da Polônia, seu tamanho e capacidade militar e sua longa e conturbada história com a Rússia tornam a escolha óbvia para uma presença permanente incluir um tenente-general de três estrelas comandando um quartel-general de corpo e se reportando diretamente ao Comando Europeu.

Locais adicionais para as forças terrestres seriam a Estônia, Letônia e Lituânia, à beira do Mar Báltico. Isso inclui esquadrões de aviões de combate acoplados a equipes de combate da brigada do Exército, e todos os estados bálticos demonstraram entusiasmo em hospedar essas unidades.

A Estônia e a Letônia fazem fronteira direta com a Rússia, enquanto a Lituânia é adjacente ao enclave russo de Kaliningrado (onde os russos colocaram mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos com ponta nuclear para ameaçar as capitais europeias).

Finalmente, olhando para a região sudeste da aliança, poder de combate adicional na Romênia seria uma boa escolha. Uma nação geograficamente grande, os romenos são defensores ferrenhos da OTAN, coletores de inteligência especializados, já abrigam um posto avançado de defesa antimísseis e possuem um bom porto em Constanta, no Mar Negro. O Corpo de Fuzileiros Navais rodou forças pela Romênia durante anos; é hora de tornar essa presença permanente. Também valeria a pena considerar basear um esquadrão de caças ou vários destróieres da classe Arleigh Burke com o sistema antimísseis Aegis.

A Marinha já baseou quatro desses destróieres na Espanha, mas está muito longe da fronteira russa e do Mar Negro. Esses navios multimissão altamente capazes (com mísseis de cruzeiro de ataque à superfície) apresentariam poder de combate e flexibilidade significativos no quintal da Rússia.

Em termos de forças rotacionais adicionais (em oposição à base permanente, conforme descrito acima), uma possibilidade interessante seria a Finlândia e/ou a Suécia. Ambos são parceiros próximos da OTAN e suas tropas foram enviadas para várias missões sob meu comando. Tanto em Helsinque quanto em Estocolmo, há sérias discussões em andamento sobre a adesão à aliança, que os acolheria. Enquanto isso, as tropas temporárias dos EUA para treinar e exercitar fazem sentido.

Todas essas ideias devem ser exploradas com os parceiros americanos da OTAN. Os britânicos e franceses indicaram que já estão pensando nessa linha.

Putin precisa saber que, além de esmagar sanções econômicas e uma feroz resistência militar dos ucranianos que ele busca subjugar, ele enfrentará um poder de combate americano significativamente aprimorado em sua fronteira, ao lado de forças mais fortes da Europa Ocidental. É exatamente o que ele não quer.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

James Stavridis é colunista da Bloomberg Opinion. Ele é um almirante aposentado da Marinha dos EUA e ex-comandante supremo aliado da OTAN, e reitor emérito da Fletcher School of Law and Diplomacy da Tufts University. Ele também é presidente do conselho da Fundação Rockefeller e vice-presidente de Assuntos Globais do Carlyle Group. Seu último livro é ‘2034: Um romance da próxima guerra mundial’.

Esta história foi publicada a partir de um feed de agência de notícias sem modificações no texto. Apenas o título foi alterado.

Inscrever-se para Boletins informativos da hortelã

* Entre com um email válido

* Obrigado por subscrever a nossa newsletter.

Nunca perca uma história! Fique conectado e informado com Mint. Baixe nosso App agora!!

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.