Como um acordo nuclear com o Irã pode afetar os preços do petróleo

Iran nuclear deal: Russia


Acordo nuclear com o Irã: O Irã e os EUA estão perto de reviver um acordo nuclear histórico de 2015 que foi descartado pelo governo Trump.

Desde que as negociações começaram há quase um ano, uma liderança mais linha-dura assumiu o poder em Teerã e uma onda de ataques de navios e drones abalou o Golfo Pérsico. Mais recentemente, a invasão da Ucrânia por Moscou elevou os preços do petróleo.

Isso aumenta a urgência dos esforços para reviver o acordo entre Teerã e as potências mundiais, pois pode liberar dezenas de milhões de barris de petróleo bruto iraniano nos mercados globais dentro de meses.

Aqui está um instantâneo do que mais ele pode trazer:

Óleo

Sob o acordo, os EUA renunciarão às sanções às compras de petróleo iraniano. Trump suspendeu as isenções inteiramente em 2019, efetivamente revivendo sanções a todos os países que tentam importar petróleo iraniano. Assim como no acordo original, não se espera que o acordo restaurado levante uma proibição histórica às importações americanas de petróleo iraniano, mas significa que os países poderão comprá-lo sem medo de serem atingidos por sanções secundárias. Pode levar cerca de dois meses a partir do acordo para que o Irã comece a vender petróleo nos mercados internacionais.

Antes da proibição de Trump, os principais clientes do Irã eram China, Índia, Coreia do Sul, Japão, Turquia, Taiwan, Itália e Grécia. Esses países asiáticos podem estar entre os primeiros a reabastecer os suprimentos iranianos.

O Irã tem dezenas de milhões de barris de petróleo armazenados em navios-tanque que podem ser enviados aos clientes rapidamente. Enquanto isso, aumentaria a produção de campos que foram total ou parcialmente fechados.

Ex-produtor número 2 da Opep, o Irã pode restaurar cerca de 1 milhão de barris de produção diária de petróleo dentro de meses após um acordo, segundo traders e analistas. Pode voltar à capacidade total de cerca de 3,7 milhões de barris por dia no próximo ano.

Bancário

As sanções do governo Trump ao sistema bancário do Irã foram além das penalidades anteriores ao acordo de 2015. A maioria dos bancos privados e estatais do Irã estava sujeita a uma camada adicional de penalidades relacionadas ao terrorismo e atividade de mísseis. Os EUA também aplicaram sanções terroristas ao Banco Central do Irã em 2019, depois de vincular Teerã a um ataque a um grande complexo petrolífero saudita.

As restrições dificultaram até mesmo a compra de bens humanitários – que são legalmente isentos de sanções. Os iranianos também lutaram com as remessas, enquanto bilhões de dólares em pagamentos pela venda de petróleo ficaram presos em contas no exterior.

Sob um acordo revivido, espera-se que esses fundos sejam liberados rapidamente. O Irã recuperará o acesso ao sistema internacional de mensagens SWIFT para bancos. Teoricamente, deveria poder retomar o comércio não humanitário. Mas ainda há uma série de sanções, relacionadas aos direitos humanos e ao programa de mísseis balísticos do Irã, que ainda se aplicam a muitas entidades e não são cobertas pelo acordo nuclear.

Nuclear

O Irã fez avanços significativos com seu programa nuclear depois que os EUA reimpuseram e endureceram as sanções, com Teerã chegando perto de produzir o combustível necessário para uma arma nuclear. Sob o acordo revivido, espera-se que o Irã volte a limitar os níveis de enriquecimento de urânio a 3,67%, o nível necessário para a geração de energia nuclear.

Os estoques iranianos de urânio enriquecido próximo aos níveis de armas seriam transferidos para fora do país e as centrífugas avançadas que instalou para o processamento de urânio serão desmanteladas. O Irã também concordou em resolver uma investigação contenciosa sobre a atividade atômica histórica com a Agência Internacional de Energia Atômica até o final de maio – uma indicação de que um acordo para aliviar as sanções poderia ser totalmente implementado até o verão.

Estabilidade regional

Uma das principais diferenças entre esta rodada de negociações e as negociações de 2015 é que o Irã fez esforços para engajar seus vizinhos regionais, trabalhando para restabelecer os laços com a Arábia Saudita e, mais importante, com os Emirados Árabes Unidos – um parceiro comercial vital para Teerã. Uma série de ataques este ano, inclusive nos Emirados Árabes Unidos e reivindicados por combatentes houthis apoiados pelo Irã no Iêmen, ameaçou essa diplomacia, mas não parece tê-la prejudicado.

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos apoiaram a campanha de “pressão máxima” de Trump contra o Irã. O impasse Irã-EUA se intensificou com ataques a carregamentos de petróleo, o ataque às instalações petrolíferas sauditas e culminou no assassinato do general mais poderoso do Irã pelos EUA. O acordo poderia reduzir as chances de outra escalada e ajudar a aliviar as divisões em conflitos regionais como a guerra no Iêmen.

Esta história foi publicada a partir de um feed de agência de notícias sem modificações no texto. Apenas o título foi alterado.

Inscrever-se para Boletim Informativo

* Entre com um email válido

* Obrigado por subscrever a nossa newsletter.

Nunca perca uma história! Fique conectado e informado com Mint. Baixe nosso App agora!!

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.