Estudantes de medicina indianos no exterior unem forças para ajudar colegas presos na Ucrânia devastada pela guerra

Press Trust of India


Precisa de um táxi para quatro pessoas em Kiev. Conhecemos alguém na Polônia que pode deixar pacotes de comida na fronteira? Um grupo está partindo de Kharkiv, alguma atualização sobre trens?

Milhares de mensagens desse tipo continuam chegando ao WhatsApp, Telegram e grupos de mídia social criados por estudantes de medicina indianos no exterior que se ofereceram para ajudar seus colegas presos na Ucrânia em meio à invasão russa.

Os estudantes voluntários estão estudando na China, Uzbequistão e Filipinas. Enquanto muitos deles estão ajudando em seus campi universitários, os outros são aqueles que retornaram à Índia após a pandemia de Covid-19 e estão participando de aulas on-line.

SIGA AS ATUALIZAÇÕES AO VIVO DA GUERRA DA RÚSSIA-UCRÂNIA

Assim que as notícias de estudantes indianos presos na Ucrânia atingida pela guerra se espalharam, esses voluntários entraram em ação.

USANDO AS REDES SOCIAIS

“Estávamos conectados com alguns estudantes de medicina em diferentes países desde que fomos para instituições de coaching juntos antes de deixar a Índia.

“Também tivemos vários grupos no Whatsapp e Telegram para trocar atualizações, notas e outras informações sobre o Exame de Pós-Graduação em Medicina Estrangeira (FMGE), que devemos escrever para praticar na Índia”, disse P Sharma, estudante da Universidade de Medicina Harbin da China, disse ao PTI.

“Quando as coisas começaram a dar errado na Ucrânia, pensamos por que não usá-los para ajudar nossos colegas estudantes presos lá. Reunimos todos os contatos e compartilhamos os links do grupo nas mídias sociais. Em dois dias, havia mais de 5.000 assinantes no grupo do Telegram e nós a transformamos em uma sala de guerra virtual”, acrescentou.

Coordenar entre fusos horários, gerenciar centenas de mensagens, assistir as notícias para ficar a par da situação em constante evolução na Ucrânia mantém os jovens voluntários ocupados.

‘100 MENSAGENS A CADA 15 MIN’

Outro estudante de medicina indiano da Universidade Estadual de Cagayan, nas Filipinas, disse que os grupos recebem pelo menos 100 mensagens a cada 15 minutos.

“Nós dividimos as áreas entre nós para garantir que o número máximo de pedidos de ajuda sejam atendidos. Entramos em contato com nossa rede para obter ajuda e também chamamos funcionários da embaixada para buscar ajuda em nome deles (alunos retidos). Em poucos dias, muitos pais também se juntaram ao grupo para obter atualizações e buscar ajuda para seus filhos presos”, disse ela.

“Às vezes, leva várias horas para abordar um apelo. Mas uma mensagem da Ucrânia de que alguém conseguiu chegar com segurança ou que a ajuda chegou a tempo nos dá toda a motivação”, acrescentou.

Rachita, estudante de medicina do quarto ano da Universidade Shandong, na cidade chinesa de Jinan, disse que alguns deles se revezam para cuidar das funções de moderador e filtrar conteúdo irrelevante dos grupos.

“Existem muitas mensagens, atualizações de notícias e todo tipo de informação que temos que filtrar para garantir que os pedidos de ajuda por parte dos presos não sejam enterrados no dilúvio de mensagens”, disse ela.

NECESSIDADE DE INTERNET

Akshara, que também estuda na Harbin Medical University, disse que os voluntários só podem ajudar enquanto os alunos retidos tiverem conectividade com a Internet e bateria em seus telefones.

“O problema real é quando as pessoas não podem ser rastreadas por causa de problemas de bateria e conectividade. Então, muitos pais nos procuram por atualizações de alunos ausentes”, disse ela.

OPERAÇÃO DA ÍNDIA GANGA

A guerra na Ucrânia entrou em seu 11º dia com a evacuação de cidades atingidas pela guerra permanecendo difícil. Estudantes retidos nessas cidades estão postando vídeos nas redes sociais, implorando ao governo indiano para evacuá-los.

Para evacuar cidadãos indianos da Ucrânia, o Centro lançou a ‘Operação Ganga’. No entanto, a evacuação da parte oriental da Ucrânia, que vem testemunhando intensos combates, tem sido motivo de preocupação.

A Índia está evacuando seus cidadãos através de voos especiais dos vizinhos ocidentais da Ucrânia, como Romênia, Hungria e Polônia, já que o espaço aéreo ucraniano está fechado desde 24 de fevereiro devido à ofensiva militar russa.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, cerca de 17.000 cidadãos indianos deixaram as fronteiras da Ucrânia desde que os avisos foram emitidos há mais de quinze dias.

A Rússia disse nesta quarta-feira que está trabalhando “intensamente” para criar um “corredor humanitário” para passagem segura para o território russo de cidadãos indianos presos em Kharkiv, Sumy e outras zonas de conflito na Ucrânia, após um pedido da Índia.

Estima-se que 20.000 cidadãos indianos, principalmente estudantes de medicina, residam na Ucrânia.

LEIA TAMBÉM: Estudantes de medicina da Ucrânia podem terminar seu curso na Índia? Mais fácil falar do que fazer, dizem especialistas

CLIQUE AQUI PARA A COBERTURA COMPLETA SOBRE A GUERRA RÚSSIA-UCRÂNIA

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.