EUA buscam melhorar relações tensas com Maduro por petróleo venezuelano

FILE - Venezuelan President Nicolas Maduro speaks during a ceremony marking the start of the judicial year at the Supreme Court in Caracas, Venezuela, (AP)


A Venezuela libertou pelo menos dois cidadãos norte-americanos presos na terça-feira, disseram pessoas familiarizadas com o assunto, em um aparente gesto de boa vontade em relação ao governo Biden após uma visita a Caracas de uma delegação de alto nível dos EUA.

Um dos prisioneiros libertados foi Gustavo Cárdenas, entre seis executivos de petróleo da Citgo presos em 2017 e condenados por acusações que o governo dos EUA diz terem sido fabricadas, disseram quatro fontes à Reuters. O outro era um cubano-americano, identificado como Jorge Alberto Fernández, detido por acusações não relacionadas, segundo duas das fontes.

A visita de fim de semana da delegação dos EUA concentrou-se não apenas no destino dos americanos detidos, mas na possibilidade de aliviar as sanções petrolíferas dos EUA ao membro da Opep para preencher uma lacuna de fornecimento se o presidente Joe Biden proibir as importações de petróleo russo em resposta à invasão da Ucrânia por Moscou. algo que ele fez na terça-feira. A Venezuela é o aliado mais próximo da Rússia na América do Sul.

Não houve nenhuma palavra imediata sobre o paradeiro dos homens libertados, embora se esperasse que fossem levados de avião para os Estados Unidos sem demora.

Washington pediu a libertação de pelo menos nove homens, incluindo aqueles conhecidos como “Citgo 6”, dois ex-Boinas Verdes e um ex-fuzileiro naval dos EUA.

A libertação dos dois pode dar um tom mais positivo às negociações entre os Estados Unidos e a Venezuela, que mantêm relações hostis ao longo de sucessivas administrações americanas.

A delegação norte-americana, a de mais alto escalão a viajar para a Venezuela nos últimos anos, se encontrou com os detidos no domingo em uma prisão venezuelana. O enviado refém dos EUA Roger Carstens fazia parte do grupo, e acredita-se que ele tenha ficado para trás para finalizar a libertação.

A liberação de terça-feira seguiu conversas com o presidente socialista Nicolás Maduro no sábado, enquanto o governo Biden buscava maneiras de evitar o impacto do aumento dos preços da gasolina nos EUA, estimulados pelos esforços do Ocidente para punir a Rússia por sua invasão da Ucrânia.

Biden intensificou a campanha de pressão sobre Moscou na terça-feira com o anúncio de uma proibição dos EUA ao petróleo russo e outras importações de energia. A proibição pode aumentar ainda mais os preços na bomba para os consumidores americanos, aumentando a pressão inflacionária.

O envolvimento com Maduro, um inimigo de longa data dos EUA, também teve como objetivo avaliar se a Venezuela está preparada para se distanciar da Rússia.

Mas o governo Biden enfrentou fortes críticas no Capitólio por seu contato com Maduro, que está sob sanções dos EUA por abusos de direitos humanos e repressão política.

O senador Robert Menendez, democrata e presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, pediu à Casa Branca que não busque um acordo com a Venezuela.

Maduro, disse ele em um comunicado, “é um câncer para o nosso hemisfério e não devemos dar nova vida ao seu reinado de tortura e assassinato”.

Os Estados Unidos reconheceram em 2019 o líder da oposição Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela após a reeleição de Maduro em 2018, que os governos ocidentais consideraram uma farsa.

PONTO DE ADESÃO

Cárdenas foi um dos seis executivos da Citgo Petroleum, com sede nos EUA, de propriedade da petrolífera estatal venezuelana PDVSA, preso durante uma viagem de negócios a Caracas em 2017. Um tribunal venezuelano em novembro de 2020 condenou os homens, acusados ​​de crimes como peculato , lavagem de dinheiro e conspiração, a penas de prisão que variam de oito a 13 anos.

Os executivos – cinco cidadãos americanos naturalizados e um residente permanente nos EUA – entraram e saíram da prisão e prisão domiciliar nos últimos anos, suas circunstâncias muitas vezes parecem depender do estado das relações EUA-Venezuela.

Sua detenção tem sido um grande ponto de discórdia entre Caracas e Washington, que repetidamente exigiu sua libertação e chamou sua detenção de ilegal.

Entre os americanos ainda detidos na Venezuela está Matthew Heath, um veterano da Marinha acusado de terrorismo e tráfico de armas. Heath negou as acusações. Autoridades dos EUA disseram que Heath não foi enviado por Washington e acusaram as autoridades venezuelanas de detê-lo ilegalmente.

Dois outros americanos ainda detidos são ex-membros das forças especiais dos EUA, Luke Denman e Airan Berry, que foram presos em 2020 em conexão com uma operação fracassada destinada a derrubar Maduro.

Esta história foi publicada a partir de um feed de agência de notícias sem modificações no texto. Apenas o título foi alterado.

Inscrever-se para Boletins informativos da hortelã

* Entre com um email válido

* Obrigado por subscrever a nossa newsletter.

Nunca perca uma história! Fique conectado e informado com Mint. Baixe nosso App agora!!

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.