Explicador: Como a guerra Rússia-Ucrânia desencadeou uma crise alimentar?

Juntos, Rússia e Ucrânia exportam quase um terço do trigo e cevada do mundo, mais de 70% de seu óleo de girassol e são grandes fornecedores de milho. A Rússia é o maior produtor global de fertilizantes.

Os preços mundiais dos alimentos já estavam subindo e a guerra piorou as coisas, impedindo que cerca de 20 milhões de toneladas de grãos ucranianos chegassem ao Oriente Médio, Norte da África e partes da Ásia.

Semanas de negociações sobre corredores seguros para retirar grãos dos portos do Mar Negro da Ucrânia fizeram pouco progresso, com a urgência aumentando com a chegada da temporada de colheita de verão.

“Isso precisa acontecer nos próximos dois meses (ou) será horrível”, disse Anna Nagurney, que estuda gerenciamento de crises na Universidade de Massachusetts Amherst e faz parte do conselho da Escola de Economia de Kyiv.

Ela diz que 400 milhões de pessoas em todo o mundo dependem de suprimentos alimentares ucranianos. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação projeta que até 181 milhões de pessoas em 41 países podem enfrentar crises alimentares ou níveis piores de fome este ano.

Aqui está uma olhada na crise global de alimentos:

QUAL A SITUAÇÃO?

Normalmente, 90% do trigo e outros grãos dos campos da Ucrânia são enviados para os mercados mundiais por mar, mas foram retidos pelos bloqueios russos na costa do Mar Negro.

Alguns grãos estão sendo redirecionados pela Europa por via férrea, rodoviária e fluvial, mas a quantidade é uma gota no balde em comparação com as rotas marítimas. As remessas também são apoiadas porque as bitolas ferroviárias da Ucrânia não correspondem às de seus vizinhos a oeste.

O vice-ministro da Agricultura da Ucrânia, Markian Dmytrasevych, pediu aos legisladores da União Europeia ajuda para exportar mais grãos, incluindo a expansão do uso de um porto romeno no Mar Negro, a construção de mais terminais de carga no rio Danúbio e a redução da burocracia para a travessia de carga na fronteira polonesa .

Mas isso significa que a comida está ainda mais longe daqueles que precisam dela.

“Agora você tem que percorrer toda a Europa para voltar ao Mediterrâneo. Isso realmente adicionou um custo incrível aos grãos ucranianos”, disse Joseph Glauber, pesquisador sênior do Instituto Internacional de Pesquisa em Política Alimentar em Washington.

A Ucrânia só conseguiu exportar de 1,5 milhão a 2 milhões de toneladas de grãos por mês desde a guerra, ante mais de 6 milhões de toneladas, disse Glauber, ex-economista-chefe do Departamento de Agricultura dos EUA.

Os grãos russos também não estão saindo. Moscou argumenta que as sanções ocidentais às suas indústrias bancárias e marítimas tornam impossível para a Rússia exportar alimentos e fertilizantes e estão afugentando as companhias marítimas estrangeiras de transportá-los. Autoridades russas insistem que as sanções sejam suspensas para levar grãos aos mercados globais.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e outros líderes ocidentais dizem, no entanto, que as sanções não afetam os alimentos.

O QUE OS LADOS ESTÃO DIZENDO?

A Ucrânia acusou a Rússia de bombardear infraestruturas agrícolas, queimar campos, roubar grãos e tentar vendê-los para a Síria depois que o Líbano e o Egito se recusaram a comprá-los. Imagens de satélite tiradas no final de maio pela Maxar Technologies mostram navios de bandeira russa em um porto na Crimeia sendo carregados com grãos e, dias depois, atracados na Síria com suas escotilhas abertas.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy disse que a Rússia provocou uma crise alimentar global. O Ocidente concorda, com autoridades como o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, dizendo que a Rússia está armando alimentos.

A Rússia diz que as exportações podem ser retomadas assim que a Ucrânia remover as minas no Mar Negro e os navios que chegarem puderem ser verificados em busca de armas.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, prometeu que Moscou não “abusaria” de sua vantagem naval e “tomaria todas as medidas necessárias para garantir que os navios pudessem sair de lá livremente”.

Autoridades ucranianas e ocidentais duvidam da promessa. O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, disse esta semana que pode ser possível criar corredores seguros sem a necessidade de limpar minas marítimas porque a localização dos dispositivos explosivos é conhecida.

Mas outras questões ainda permaneceriam, como se as seguradoras forneceriam cobertura para os navios.

Dmytrasevych disse aos ministros da agricultura da UE nesta semana que a única solução é derrotar a Rússia e desbloquear os portos: “Nenhuma outra medida temporária, como corredores humanitários, resolverá o problema”.

COMO CHEGAMOS AQUI?

Os preços dos alimentos estavam subindo antes da invasão, decorrentes de fatores como mau tempo e colheitas fracas que cortam a oferta, enquanto a demanda global se recuperou fortemente da pandemia de COVID-19.

Glauber citou as más colheitas de trigo no ano passado nos Estados Unidos e no Canadá e uma seca que prejudicou a produção de soja no Brasil. Também agravado pelas mudanças climáticas, o Chifre da África está enfrentando uma de suas piores secas em quatro décadas, enquanto uma onda de calor recorde na Índia em março reduziu a produção de trigo.

Isso, juntamente com os custos crescentes de combustível e fertilizantes, impediu que outros grandes países produtores de grãos preenchessem as lacunas.

QUEM É MAIS DIFÍCIL?

A Ucrânia e a Rússia exportam principalmente produtos básicos para países em desenvolvimento que são mais vulneráveis ​​a aumentos de custos e escassez.

Países como Somália, Líbia, Líbano, Egito e Sudão são fortemente dependentes de trigo, milho e óleo de girassol das duas nações em guerra.

“O fardo está sendo suportado pelos muito pobres”, disse Glauber. “Isso é uma crise humanitária, sem dúvida.”

Além da ameaça da fome, os preços crescentes dos alimentos colocam em risco a instabilidade política nesses países. Eles foram uma das causas da Primavera Árabe, e há preocupações de que se repitam.

Os governos dos países em desenvolvimento devem deixar os preços dos alimentos subirem ou subsidiar os custos, disse Glauber. Um país moderadamente próspero como o Egito, o maior importador de trigo do mundo, pode arcar com os custos mais altos dos alimentos, disse ele.

“Para países pobres como o Iêmen ou países do Chifre da África – eles realmente precisarão de ajuda humanitária”, disse ele.

A fome e a fome estão perseguindo essa parte da África. Os preços de produtos básicos como trigo e óleo de cozinha em alguns casos estão mais do que dobrando, enquanto milhões de animais que as famílias usam para obter leite e carne morreram. No Sudão e no Iêmen, o conflito Rússia-Ucrânia veio depois de anos de crises domésticas.

O UNICEF alertou sobre uma “explosão de mortes de crianças” se o mundo se concentrar apenas na guerra na Ucrânia e não agir. fome aguda até setembro e 19 milhões de iemenitas enfrentam insegurança alimentar este ano.

Os preços do trigo subiram em alguns desses países em até 750%.

“Geralmente, tudo ficou caro. Seja água, seja comida, está se tornando quase impossível”, disse Justus Liku, consultor de segurança alimentar do grupo de ajuda CARE, depois de visitar a Somália recentemente.

Liku disse que um vendedor que vendia comida cozida “não tinha vegetais ou produtos de origem animal. Sem leite, sem carne. O lojista estava nos dizendo que ela está lá apenas por estar lá.”

No Líbano, as padarias que costumavam ter muitos tipos de pão achatado agora vendem apenas pão pita branco básico para conservar a farinha.

O QUE ESTÁ SENDO FEITO?

Há semanas, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, vem tentando garantir um acordo para desbloquear as exportações russas de grãos e fertilizantes e permitir que a Ucrânia envie commodities do principal porto de Odesa. Mas o progresso tem sido lento.

Enquanto isso, uma grande quantidade de grãos está presa em silos ucranianos ou em fazendas. E há mais por vir – a colheita de trigo de inverno na Ucrânia está começando em breve, colocando mais pressão nas instalações de armazenamento, mesmo que alguns campos provavelmente não sejam colhidos e por causa dos combates.

Serhiy Hrebtsov não pode vender a montanha de grãos em sua fazenda na região de Donbas porque as ligações de transporte foram cortadas. A escassez de compradores significa que os preços são tão baixos que a agricultura é insustentável.

“Existem algumas opções para vender, mas é como jogar fora”, disse ele.

O presidente dos EUA, Joe Biden, diz que está trabalhando com parceiros europeus em um plano para construir silos temporários nas fronteiras da Ucrânia, inclusive com a Polônia, uma solução que também abordaria as diferentes bitolas ferroviárias entre a Ucrânia e a Europa.

A ideia é que os grãos possam ser transferidos para os silos e depois “para carros na Europa e levá-los para o oceano e levá-los para todo o mundo. Mas está demorando”, disse ele em um discurso na terça-feira.

Dmytrasevych disse que a capacidade de armazenamento de grãos da Ucrânia foi reduzida em 15 milhões a 60 milhões de toneladas depois que as tropas russas destruíram silos ou locais ocupados no sul e no leste.

O QUE CUSTA MAIS?

A produção mundial de trigo, arroz e outros grãos deve atingir 2,78 bilhões de toneladas em 2022, uma queda de 16 milhões de toneladas em relação ao ano anterior – o primeiro declínio em quatro anos, disse a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

Os preços do trigo subiram 45% nos primeiros três meses do ano em comparação com o ano anterior, de acordo com o índice de preços do trigo da FAO. O óleo vegetal saltou 41%, enquanto os preços do açúcar, da carne, do leite e do peixe também subiram dois dígitos.

Os aumentos estão alimentando uma inflação mais rápida em todo o mundo, tornando os mantimentos mais caros e aumentando os custos para os donos de restaurantes, que foram forçados a aumentar os preços.

Alguns países estão reagindo tentando proteger o abastecimento doméstico. A Índia restringiu as exportações de açúcar e trigo, enquanto a Malásia interrompeu as exportações de frangos vivos, alarmando Cingapura, que obtém um terço de suas aves de seu vizinho.

O Instituto Internacional de Pesquisa de Política Alimentar diz que se a escassez de alimentos se tornar mais aguda à medida que a guerra se prolongar, isso poderá levar a mais restrições às exportações que aumentarão ainda mais os preços.

Outra ameaça é o fertilizante escasso e caro, o que significa que os campos podem ser menos produtivos à medida que os agricultores economizam, disse Steve Mathews, da Gro Intelligence, uma empresa de dados e análises agrícolas.

Existem deficiências especialmente grandes de dois dos principais produtos químicos em fertilizantes, dos quais a Rússia é um grande fornecedor.

“Se continuarmos a ter a escassez de potássio e fosfato que temos agora, veremos uma queda nos rendimentos”, disse Mathews. “Não há dúvida sobre isso nos próximos anos.”

Inscrever-se para Boletins informativos da hortelã

* Entre com um email válido

* Obrigado por subscrever a nossa newsletter.

Comments are closed.