‘Guerra sem sentido’ força um milhão a fugir da Ucrânia: chefe de refugiados da ONU |

'Guerra sem sentido' força um milhão a fugir da Ucrânia: chefe de refugiados da ONU |


“Trabalho em emergências de refugiados há quase 40 anos e raramente vi um êxodo tão rápido quanto este”, disse. ele comentou.

“E a menos que haja um fim imediato do conflito, milhões mais provavelmente serão forçados a fugir da Ucrânia.”

Compromisso de ficar

O Sr. Grandi informou que funcionários da agência de refugiados da ONU, ACNUR, permanecem na Ucrânia, junto com outros humanitários, trabalhando onde e quando podem em condições assustadoras.

“Nossa equipe fica, mesmo correndo grande risco, porque sabemos que as necessidades do país são enormes”, ele disse.

As equipes também estão trabalhando em toda a região para ampliar os programas de proteção e assistência aos refugiados, em apoio aos governos anfitriões.

A maioria dos refugiados foi para a Polônia e outros países vizinhos, como Hungria, Moldávia, Romênia e Eslováquia.

Um portal de dados do ACNUR, revelado na quarta-feira, está acompanhando as chegadas.

O Sr. Grandi elogiou os governos regionais e as comunidades locais que acolheram refugiados, embora enfatize que acabar com o conflito é a única solução.

“A solidariedade internacional tem sido reconfortante”, disse ele. “Mas nada – nada – pode substituir a necessidade de silenciar as armas; para o sucesso do diálogo e da diplomacia. A paz é a única maneira de deter esta tragédia.”

Preocupação com os nacionais de países terceiros

Entre as massas que deixam a Ucrânia estão pessoas de dezenas de outros países, incluindo trabalhadores migrantes e estudantes.

Alguns encontraram desafios ao tentar escapar de áreas afetadas por conflitos, cruzar fronteiras ou buscar assistência para salvar vidas.

O chefe da Organização Internacional para as Migrações (OIM) ficou alarmado com os relatos credíveis verificados de discriminação, violência e xenofobia contra cidadãos de países terceiros.

“Deixe-me ser claro, a discriminação com base em raça, etnia, nacionalidade ou status de migração é inaceitável”. disse o Director-Geral da OIM, António Vitorino.

Ele enfatizou que os países vizinhos devem permitir que todas as pessoas que fogem da Ucrânia acessem seu território, enquanto a assistência e a proteção devem ser fornecidas de maneira não discriminatória e culturalmente apropriada.

Sem justificativa legal

Especialistas independentes em direitos humanos da ONU também avaliaram a questão, citando relatos de indivíduos e da mídia sobre discriminação contra estudantes africanos e seus dependentes.

“Medidas que diferenciam as pessoas, em qualquer terreno, especialmente com base em raça ou etnia, não são apenas legalmente injustificáveis, mas moral e eticamente repugnantes, pois abraçamos nossa humanidade comum e lutamos por liberdades fundamentais”, o Grupo de Trabalho de Especialistas em Pessoas de ascendência africana disse em um comunicado.

Os membros do Grupo de Trabalho atuam em sua capacidade individual e não são funcionários da ONU nem recebem salário da Organização.

Eles foram nomeados pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, que iniciou sua sessão anual de um mês nesta semana. Na quinta-feira, o Conselho realizou um debate urgente sobre a situação na Ucrânia.

Número de mortos provavelmente maior

Quase 250 pessoas foram mortas desde o início do ataque russo em 24 de fevereiro, informou o escritório de direitos humanos da ONU, OHCHR, na quinta-feira.

As vítimas incluem 31 homens, 27 mulheres, seis meninos e três meninas, além de 174 adultos e oito crianças cujo sexo ainda é desconhecido. Enquanto isso, 553 pessoas ficaram feridas.

O ACNUDH acredita que os números reais são consideravelmente maiores, especialmente em território controlado pelo governo e principalmente nos últimos dias, devido a atrasos nas informações de áreas onde estão ocorrendo intensos combates.

O escritório da ONU acrescentou que o Ministério da Saúde da Ucrânia relatou 352 pessoas mortas e mais de 1.680 feridas.


Em 25 de fevereiro de 2022, pessoas se abrigam em uma escola durante operações militares em andamento em Kiev, na Ucrânia.

© UNICEF/Victor Kovalchuk/UNIAN

Em 25 de fevereiro de 2022, pessoas se abrigam em uma escola durante operações militares em andamento em Kiev, na Ucrânia.

Mobilização de pessoal e suprimentos

À medida que as necessidades continuam a crescer na Ucrânia, a ONU e seus parceiros estão ampliando a assistência às pessoas que fugiram através das fronteiras, bem como àquelas que permanecem no país.

As agências humanitárias já estavam presentes na Ucrânia, onde as forças do governo e os separatistas lutam no leste desde 2014. Antes da crise atual, elas alcançavam mais de 1,5 milhão de pessoas.

Osnat Lubrani, Coordenador Humanitário e Residente da ONU, disse que os programas serão expandidos, enquanto novas operações serão estabelecidas sempre que necessário em todo o país.

Ela enfatizou que as partes em conflito devem garantir o acesso desimpedido às pessoas necessitadas.

“Como em qualquer lugar do mundo, o trabalho das equipes da ONU e de nossos parceiros humanitários é sempre neutro, imparcial e independente: estamos aqui para ajudar os civis mais vulneráveis, quem quer que estejam e onde quer que estejam.” ela disse.

Solidariedade com os trabalhadores

O chefe da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder, destacou a necessidade de apoiar os trabalhadores da Ucrânia.

Ele se juntou à Assembleia Geral da ONU, que, na quarta-feira, adotou uma resolução condenando a ofensiva militar russa no país.

“Os responsáveis ​​pela agressão sabem muito bem que entre suas primeiras vítimas estarão os trabalhadores e que a devastação de empregos, empresas e meios de subsistência será enorme e durará muitos anos”, disse Ryder.

Ele ressaltou o dever da agência “Ser solidário com o governo, trabalhadores e empregadores da Ucrânia e se juntar ao restante do sistema das Nações Unidas para fornecer toda a assistência possível a eles”.

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.