Invasão da Ucrânia: Vizinhos lutam contra o fluxo de refugiados; ONU expressa ‘horror’ no ataque ao hospital Mariupol |

Invasão da Ucrânia: Vizinhos lutam contra o fluxo de refugiados;  ONU expressa 'horror' no ataque ao hospital Mariupol |


Até o momento, mais de 2,2 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia, de acordo com a agência de refugiados da ONU, ACNUR; a maioria encontrou abrigo na Polônia e mais de 200.000 chegaram à Hungria.

A Eslováquia recebeu mais de 150.000 pessoas de seu vizinho em apuros desde 24 de fevereiro, quando as forças russas começaram a bombardear cidades ucranianas.

Guterres elogia ‘generosidade e solidariedade’

Em um telefonema com o presidente polonês, Andrzej Duda, ONU Secretário-Geral António Guterres disse apreciar as boas-vindas ali estendidas a mais de um milhão de refugiados da Ucrânia.

O chefe da ONU “disse ao presidente que fará todo o possível para mobilizar todo o sistema da ONU, em coordenação com o ACNUR, para apoiar a generosidade da Polônia”, disse o porta-voz da ONU Stéphane Dujarric a repórteres em Nova York.

Ele disse que Guterres estava grato pela “imensa generosidade e solidariedade demonstradas por todos os países” que fazem fronteira com a Ucrânia.

Como parte de seus esforços gerais de mediação para tentar acabar com os combates na Ucrânia, o chefe da ONU também conversou na tarde de quarta-feira com o chanceler alemão Olaf Schultz e Josep Borrell, alto representante de política externa e de segurança da União Europeia.

As últimas estimativas das agências de ajuda da ONU sugerem que quatro milhões de refugiados devem chegar ao fim da guerra, o que representa cerca de 10% da população da Ucrânia.

Horror sobre ataque a maternidade

O desenvolvimento segue alertas de notícias na quarta-feira de que um ataque russo a um hospital infantil e maternidade na cidade atingida de Mariupol deixou crianças enterradas sob os escombros, segundo autoridades ucranianas.

O atentado não foi verificado de forma independente, mas Dujarric disse que a ONU está investigando com urgência os relatórios “chocantes”.

Ele reiterou o apelo da ONU para a interrupção imediata dos ataques à saúde, hospitais, profissionais de saúde e ambulâncias, lembrando que “nenhum deles deve ser um alvo”.

Quaisquer ataques à saúde são uma clara violação do Direito Internacional Humanitário.

Em um tweet, Guterres descreveu os relatos do ataque como “horríveis”, observando que os civis estavam pagando “o preço mais alto por uma guerra que não tem nada a ver com eles. Essa violência sem sentido deve parar”.

Em um comunicado, a chefe do UNICEF, Catherine Russell, disse estar “horrorizada com o ataque relatado… um ataque que teria deixado crianças e mulheres em trabalho de parto, enterradas sob os escombros de prédios destruídos. Ainda não sabemos o número de vítimas, mas tememos o pior”.

Pedágio terrível em crianças

“Este ataque, se confirmado, ressalta o terrível preço que esta guerra está cobrando das crianças e famílias da Ucrânia”, acrescentou. “Em menos de duas semanas, pelo menos 37 crianças foram mortas e 50 feridas, enquanto mais de um milhão de crianças fugiram da Ucrânia para países vizinhos.

Este ataque, se confirmado, ressalta o terrível preço que esta guerra está cobrando das crianças e famílias da Ucrânia – chefe do UNICEF

“Ataques contra civis e infraestrutura civil – incluindo hospitais, sistemas de água e saneamento e escolas – são inconcebíveis e devem parar imediatamente”, acrescentou.

“O UNICEF renova seu apelo por um cessar-fogo imediato e insta todas as partes a respeitarem suas obrigações sob o Direito Internacional Humanitário de proteger as crianças de danos e garantir que os atores humanitários possam alcançar com segurança e rapidez as crianças necessitadas.”

Vários ataques

Em entrevista a jornalistas em Genebra, o chefe da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que, até agora, a OMS verificou 18 ataques a instalações de saúde, profissionais de saúde e ambulâncias em meio à invasão russa da Ucrânia, incluindo 10 mortes e 16 feridos.

“Esses ataques privam comunidades inteiras de cuidados de saúde”, disse ele.

Até agora, a OMS entregou 81 toneladas de suprimentos e a OMS está estabelecendo um pipeline de suprimentos para instalações de saúde em toda a Ucrânia, especialmente nas áreas mais afetadas, acrescentou Tedros.


Uma mulher olha para sua casa danificada após um bombardeio em Mariupol, no sudeste da Ucrânia.

© UNICEF/Evgeniy Maloletka

Uma mulher olha para sua casa danificada após um bombardeio em Mariupol, no sudeste da Ucrânia.

“Ontem, entregamos cinco toneladas métricas de suprimentos médicos para Kiev para apoiar o atendimento cirúrgico de 150 pacientes com traumas e outros suprimentos para gerenciar uma série de condições de saúde para 45.000 pessoas por um mês. Mais suprimentos serão distribuídos hoje e temos 400 metros cúbicos de suprimentos esperando para serem transportados para a Ucrânia, de nosso centro logístico em Dubai.”

O chefe da agência de saúde da ONU disse que alguns dos principais desafios de saúde, além de sobreviver a ataques aéreos e bombardeios, são hipotermia e congelamento, doenças respiratórias, falta de tratamento para doenças cardiovasculares e câncer e problemas de saúde mental.

O pessoal da OMS foi enviado a países vizinhos para fornecer apoio psicossocial e de saúde mental.

“A OMS continua pedindo à Federação Russa que se comprometa com uma resolução pacífica para esta crise e permita o acesso seguro e desimpedido à assistência humanitária para os necessitados”, disse Tedros.

OIM ajuda os nacionais a regressar a casa

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) disse na quarta-feira que ajudou quase 100 chamados cidadãos de países terceiros (TCNs), presos na Ucrânia durante o ataque russo, a voltar para casa.

Eles incluem 77 tunisianos, forçados a fugir para a Romênia e a Polônia; três cidadãos libaneses e 17 estudantes ganenses. Sete outros estudantes partem para Gana na quinta-feira.

A OIM disse que cerca de 109.000 TCNs fugiram da Ucrânia desde o início da guerra, pois a agência colabora com Estados, embaixadas, autoridades de fronteira e outros parceiros para ajudá-los a retornar.

Além de apoiar os retornos, a OIM forneceu assistência médica antes da partida, alimentação, testes de COVID-19, Equipamento de Proteção Individual e transporte terrestre muito necessário para os pontos de partida.
A OIM está a fornecer aos TCNs – alguns dos quais sofreram discriminação e ataques xenófobos durante as suas viagens – ajuda a estabelecer contacto com as suas autoridades de origem, e criou uma rede de Linhas Diretas na Ucrânia, Polónia, Roménia, Eslováquia e Lituânia, fornecendo informações a todos aqueles forçados a deixar a Ucrânia.



Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.