Notícias da guerra Rússia-Ucrânia: dando sentido às mudanças nos padrões de voo sobre a Europa Oriental

Notícias da guerra Rússia-Ucrânia: dando sentido às mudanças nos padrões de voo sobre a Europa Oriental


Um voo de passageiros da United Airlines (UA) que partiu na sexta-feira do Aeroporto Internacional Indira Gandhi, em Nova Delhi, levou 16 horas e 12 minutos para chegar ao seu destino, o Aeroporto Internacional O’Hare, em Chicago. Mais cedo na segunda-feira, o mesmo voo entre esses dois aeroportos levou apenas 14 horas e 38 minutos de tempo de voo.

Ambos os voos operados dias após a invasão russa da Ucrânia começaram em meio às restrições europeias ao espaço aéreo, e ainda havia mais de 2 horas de diferença de tempo de voo. O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou restrições aos voos russos que entram no espaço aéreo dos EUA.

Após o anúncio, as companhias aéreas americanas, como a UA, que operam entre Nova Délhi e Chicago, tiveram que evitar usar a rota usual via Rússia e adotar outra rota via Europa Ocidental para completar seus voos.

OBTENHA ATUALIZAÇÕES AO VIVO DA GUERRA RÚSSIA-UCRÂNIA AQUI

Aliás, os voos da Air India entre esses dois aeroportos continuam operando via espaço aéreo russo, pois não há restrições diretas entre a Índia e a Rússia. Este é um dos vários exemplos de como a invasão russa da Ucrânia afetará o setor de aviação, mesmo em regiões distantes da guerra.

Enquanto os operadores continuam a fazer ajustes de acordo com a situação em mudança, espera-se que rotas mais longas, maior tempo de voo e aumento dos preços dos combustíveis tenham um impacto no setor de aviação em todo o mundo.

Quando o avanço russo na Ucrânia completou seu 10º dia, a Unidade de Inteligência de Dados da Índia Today (DIU) analisou as mudanças nos padrões de voo após várias restrições de espaço aéreo impostas por vários países.

Leia também: Forças ucranianas derrubam aeronaves russas nos arredores de Chernihiv | VÍDEO

PROIBIÇÕES DO ESPAÇO AÉREO TIT-FOR-TAT

A análise de dados de voos de aproximadamente 45.000 voos realizados entre 20 de fevereiro e 1º de março, fornecidos pelo serviço global de rastreamento de voos Flightradar24.com, mostra como o espaço aéreo sobre a Europa Oriental se transformou à medida que o conflito progrediu.

Devido ao fechamento do espaço aéreo pelo governo, as luzes de vôo se apagaram sobre a Ucrânia e a Moldávia em 24 de fevereiro. Logo após o início da invasão russa, o Reino Unido foi o primeiro país a proibir a companhia aérea nacional russa Aeroflot. A Rússia retribuiu a restrição no dia seguinte, proibindo os voos da British Airlines.

Em 28 de fevereiro, os países da União Europeia anunciaram uma restrição a todos os voos russos, um passo retribuído pela Rússia no dia seguinte. Em 1º de março, os EUA também restringiram seu espaço aéreo para voos russos. Devido a essas restrições, vários voos de passageiros e de carga estão sendo cancelados ou reencaminhados.

Leia também: Notícias da guerra Rússia-Ucrânia: Imagens do Antonov AN-225, o maior avião do mundo, destruído em tiroteio russo

Os voos e passageiros russos foram muito impactados por essas restrições. No sábado, a transportadora estatal russa Aeroflot anunciou que interromperá todos os voos internacionais, exceto para a Bielorrússia, a partir de 8 de março.

Anteriormente, a agência de aviação do país, Rosaviatsiya, recomendou que todas as companhias aéreas russas com aviões alugados no exterior parassem de operar os dois voos no exterior. A empresa norte-americana Boeing e o conglomerado europeu de aviação Airbus já anunciaram a suspensão do suporte de manutenção à frota russa. A Aeroflot possui uma frota mista de aeronaves Airbus e Boeing.

Leia também: Ele nasceu para isso, fiquei infinitamente impressionado: Ator Sean Penn ao conhecer a Ucrânia Pres Zelenskyy em meio à guerra

OS CÍRCULOS NO CÉU

O monitoramento dos dados do Flightradar24 também traz algumas mudanças interessantes no espaço aéreo dos países membros da OTAN que fazem fronteira com a Ucrânia. Vários voos operando em um padrão de voo recorrente, perto das fronteiras ocidentais da Ucrânia podem ser vistos.

Essas impressões são provavelmente indicativas da intensa vigília aérea das forças da OTAN em suas fronteiras orientais. Várias aeronaves de reconhecimento, helicópteros Blackhawk, veículos aéreos não tripulados (UAV), grandes aeronaves de transporte e reabastecimento, bem como jatos de combate, foram vistos nos últimos dias na plataforma de rastreamento de voos de código aberto.

Sinais do aumento da atividade de vigilância e patrulhamento perto da área de fronteira são visíveis nos dados das rotas de voo.

Além do patrulhamento aéreo, outra razão para esses padrões pode ser o número crescente de aeronaves que aterrissam em aeroportos próximos às fronteiras ucranianas. Devido ao número limitado de pistas de pouso e ao aumento repentino no movimento de passageiros e aeronaves militares, várias aeronaves estão sendo solicitadas pelo controlador de tráfego aéreo a pairar por algum tempo, a menos que o espaço seja liberado no solo.

Vários voos especiais também estão sendo operados por muitos países para a Romênia e a Polônia para evacuar os cidadãos que cruzam as fronteiras da Ucrânia por estrada.

O governo indiano também enviou vários passageiros, bem como jatos de transporte da Força Aérea, como o C-17, para evacuar milhares de cidadãos indianos da Ucrânia através de países vizinhos.

Especialistas em aviação acreditam que a indústria da aviação global, que mal se recupera da pandemia de Covid-19, terá uma tarefa árdua para lidar com as consequências diretas e indiretas da invasão russa da Ucrânia, embora seu impacto total ainda não seja conhecido.

“O impacto nos preços do petróleo é acentuado e severo”, disse o CEO da Ryanair, Michael O’Leary, a repórteres em entrevista coletiva na quarta-feira. O setor de carga aérea também provavelmente enfrentará um impacto significativo, tanto devido ao aumento dos preços dos combustíveis, quanto às restrições no espaço aéreo.

Leia também: Forças russas avançam para 3ª usina nuclear na Ucrânia, cidades-chave se mantêm firmes | Mais recentes

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.