O governo visa ‘condições de vida honrosas’ para os mineiros em meio ao fechamento de minas de carvão. Leia aqui

Officials said the plan would focus on mines that have already been shut or are slated for closure, and would not be extended to others in order to speed a clean energy transition. (REUTERS)


O trabalho no plano – para o qual o governo está buscando apoio do Banco Mundial – começará este mês, com levantamentos em dois distritos de centros de mineração no leste da Índia, disseram funcionários do ministério federal do carvão ao Fundação Thomson Reuters.

Os relatórios preliminares serão apresentados ao governo dentro de um ano, mas o cronograma para o projeto de “transição justa” é de cerca de oito anos e custará pelo menos US$ 1 bilhão, acrescentaram.

Bhabani Prasad Pati, secretário adjunto do ministério do carvão, que está supervisionando o plano, disse que cobrirá minas já fechadas, minas abandonadas e minas que devem ser fechadas nos próximos anos porque seus recursos se esgotaram.

“Muitas pessoas perdem seus meios de subsistência quando as minas fecham. A população em torno desses cinturões de carvão é pobre”, disse ele.

“Eles devem ter condições de vida dignas mesmo após o fechamento das minas. Escolas e estradas construídas durante a mineração precisam ser mantidas”, acrescentou.

Existem mais de 290 minas de carvão abandonadas ou fechadas na Índia, mostram dados do governo.

Mas com poucas opções alternativas, a maioria das pessoas ainda depende do combustível fóssil que aquece o planeta para viver, apesar de anos de mineração destruindo suas plantações e poluindo a água e o ar locais.

Autoridades disseram que o plano se concentraria em minas que já foram fechadas ou com previsão de fechamento, e não seria estendido a outras para acelerar a transição para energia limpa.

Mas as lições dos dois distritos serão úteis no futuro, à medida que a Índia torna sua matriz energética mais verde, observaram as autoridades.

Na cúpula climática da ONU COP26 de novembro, a Índia disse que não poderia se comprometer com a “eliminação gradual” do carvão, dada sua crescente demanda de energia e os vários milhões de empregos dependentes do combustível, e garantiu uma linguagem mais fraca no Pacto Climático de Glasgow.

O estande foi bem recebido nas áreas ricas em carvão do país, que temem uma ameaça à sua principal fonte de renda e receitas fiscais.

A Índia, o terceiro maior país consumidor de energia do mundo, está aumentando agressivamente a capacidade de energia renovável para atingir uma meta de 500 gigawatts até 2030, ao mesmo tempo em que aumenta a produção de carvão para atender às crescentes necessidades de energia, garantir seu suprimento de energia e aproveitar sua vastas reservas de carvão.

VISÃO HOLÍSTICA

Embora a Índia provavelmente ainda use carvão por mais quatro décadas, especialistas disseram que o trabalho em uma estratégia nacional de “transição justa” é fundamental, pois busca atingir as metas de energia renovável e está sob crescente pressão para se livrar dos combustíveis fósseis.

A Índia está na fila para receber financiamento para ajudá-la a se afastar do carvão junto com outros três países, como parte de uma iniciativa de US$ 2,5 bilhões lançada na COP26 pelos Fundos de Investimento Climático de vários doadores, embora os detalhes ainda não tenham sido definidos.

Sob o novo plano de minas fechadas que está sendo discutido, autoridades indianas disseram que as atividades para reabilitar as comunidades seriam financiadas pelo Banco Mundial e dinheiro destinado por estados e empresas de mineração para o bem-estar social, entre outras fontes.

A Índia não tinha diretrizes adequadas para o fechamento de minas até 2009. Autoridades disseram que agora estão buscando conhecimento técnico do Banco Mundial para entender melhor o impacto socioeconômico de tais fechamentos sobre as pessoas e seus meios de subsistência.

“Anteriormente, apenas analisamos os aspectos técnicos e ambientais do fechamento da mina. Mas agora estamos discutindo como nossas diretrizes devem olhar para a sociedade e a comunidade de forma holística”, disse Pati.

Dados geoespaciais estão sendo preparados sobre o número, localização e tamanho das minas fechadas, e o número de pessoas que dependem delas para viver, observou ele, acrescentando que o novo plano aplicaria princípios de “transição justa”.

Um porta-voz do Banco Mundial disse por e-mail que o ministério do carvão da Índia buscou o apoio do banco para aproveitar as melhores práticas globais e desenvolver planos de transição em consulta com comunidades e outros parceiros importantes.

O objetivo do trabalho do banco na transição justa na Índia e além é colocar as pessoas e o meio ambiente no centro de uma mudança verde e ajudar os trabalhadores e suas comunidades a construir um novo futuro econômico justo e inclusivo, acrescentou.

‘SEM TRABALHO’

Os dois distritos identificados para as pesquisas de campo iniciais – Bokaro no estado de Jharkhand oriental e Coréia em Chhattisgarh – têm um total de 38 minas, das quais 18 não estão funcionando.

Em Bokaro, 12 das 25 minas estão em operação, sendo que as demais fecharam nos últimos cinco anos – algumas por falta de autorização técnica, algumas se fundindo com minas maiores adjacentes e algumas esgotando suas reservas.

No distrito da Coréia, seis das 13 minas não estão mais funcionando, pelo menos duas desde algumas décadas atrás.

Autoridades locais disseram que cada mina apóia milhares de famílias.

O oficial de mineração do distrito, Triveni Dewangan, enfatizou que o carvão continua sendo uma importante fonte de subsistência. “Se isso for fechado, não sobrará nada”, disse ela.

A Índia é o segundo maior produtor de carvão do mundo, com cerca de 730 milhões de toneladas anuais, depois da China. Suas usinas de mineração e carvão oferecem empregos diretos e indiretos para quase 4 milhões de pessoas no país, segundo pesquisadores.

Dado que grandes áreas nas regiões ricas em carvão da Índia foram afetadas pela mineração, Sanjay Vashist, diretor da Climate Action Network South Asia, disse que planos de transição justos bem-sucedidos exigiriam reabilitação econômica e ambiental para proprietários de terras, bem como envolvimento da comunidade.

O país deve preparar as pessoas nos pólos de mineração que se afastaram das ocupações tradicionais – principalmente a agricultura – para retornar a elas ou dar-lhes novas habilidades empregáveis, acrescentou.

Crescendo na divisão municipal de Chirmiri, no distrito da Coréia, o político local Shyam Bihari Jaiswal disse que, de nove minas operando lá em 1993, seis haviam fechado.

“Há muita mão de obra aqui, mas não há trabalho”, disse o ex-legislador.

“As poucas pessoas que ganham com a mineração dão sustento a vendedores de hortaliças, lavanderias (e) lojas de roupas. É só esse dinheiro que circula na economia local”, disse.

Indústrias caseiras para brinquedos e artesanatos artesanais e turismo baseado em templos locais, cachoeiras e cavernas naturais podem ajudar a revitalizar a economia da região, acrescentou.

Esta história foi publicada a partir de um feed de agência de notícias sem modificações no texto. Apenas o título foi alterado.

Inscrever-se para Boletim Informativo

* Entre com um email válido

* Obrigado por subscrever a nossa newsletter.

Nunca perca uma história! Fique conectado e informado com Mint. Baixe nosso App agora!!

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.