‘O mundo vê você’, diz chefe da ONU aos ucranianos, prometendo aumentar o apoio |

'O mundo vê você', diz chefe da ONU aos ucranianos, prometendo aumentar o apoio |

“Estou aqui para focar em maneiras de como a ONU pode expandir o apoio ao povo da Ucrânia, salvando vidas, reduzir o sofrimento e ajudar a encontrar o caminho da paz”, O secretário-geral António Guterres disse a repórteres de todo o mundo reunidos em uma sala imponente, com as cortinas fechadas.

Logo após a coletiva de imprensa, dois ataques com mísseis supostamente abalaram a capital, um lembrete de que a guerra está longe de terminar, apesar da retirada russa dos subúrbios vizinhos.

Pelo menos uma pessoa foi morta e várias ficaram feridas – com algumas enterradas sob escombros quando dois prédios altos pegaram fogo – de acordo com reportagens, no noroeste da cidade

‘Awe’ pela determinação da Ucrânia

“Quero que o povo ucraniano saiba que o mundo vê você, ouve você e fica admirado com sua resiliência e determinação”, declarou o chefe da ONU.

“Também sei que palavras de solidariedade não são suficientes. Estou aqui para focar nas necessidades no terreno e aumentar as operações.

“Esta guerra deve terminar e a paz deve ser estabelecida, de acordo com a carta das Nações Unidas e o direito internacional. Muitos líderes fizeram muitos bons esforços para parar os combates, embora esses esforços, até agora, não tenham sido bem-sucedidos.

“Estou aqui para dizer a vocês, Senhor Presidente, e ao povo da Ucrânia: Não desistiremos.”

‘Crise dentro de crise’: Mariupol

Guterres disse que as dezenas de milhares de civis e combatentes que se acredita terem sido deixados na cidade litorânea de Mariupol, sitiada e destruída, precisavam “desesperadamente” de um corredor humanitário para escapar dos horrores do último reduto contra os invasores russos, de o complexo siderúrgico Azovstal.

“Mariupol é uma crise dentro de uma crise. Milhares de civis precisam de assistência para salvar vidas. Muitos são idosos, precisam de cuidados médicos ou têm mobilidade limitada. Eles precisam de uma rota de fuga para fora do apocalipse.”

Ele lembrou que em seu encontro com o presidente Vladimir Putin em Moscou na terça-feira, houve um acordo “em princípio” para envolver a ONU e a Cruz Vermelha, para ajudar na evacuação de civis.

“Hoje, o presidente Zelenskyy e eu tivemos a oportunidade de abordar esta questão”, disse ele, acrescentando que “enquanto falamos, há discussões intensas para avançar sobre esta proposta para torná-la uma realidadesim.”


O secretário-geral da ONU, António Guterres, visita Irpin, na Ucrânia.

Foto da ONU/Eskinder Debebe

O secretário-geral da ONU, António Guterres, visita Irpin, na Ucrânia.

Falha em Nova York

Tendo em mente que a invasão da Ucrânia por Moscou foi uma clara violação da integridade territorial da Ucrânia e da Carta da ONU, Guterres expressou sua opinião categórica de que o Conselho de Segurança falhou em cumprir seu propósito primordial de prevenir ou acabar com a guerra.

Esta é uma fonte de grande decepção, frustração e raiva“, ele disse.

“Mas os homens e mulheres das Nações Unidas estão trabalhando todos os dias para o povo da Ucrânia, lado a lado com tantas organizações ucranianas corajosas. Saúdo os mais de 1.400 funcionários da ONU – a grande maioria dos quais são cidadãos ucranianos. Eles estão no terreno em nove centros operacionais e 30 locais.”

Ele disse que a complexa missão de ajuda foi “uma das operações de expansão mais rápidas que já realizamos, e estamos muito conscientes de que nem tudo é perfeito. Tudo o que podemos fornecer empalidece em comparação com as necessidades.”

Ele prometeu mais ação “em todos os níveis – coordenando com o governo ucraniano a cada passo do caminho”.


O secretário-geral da ONU, António Guterres, fala à mídia em Kiev, na Ucrânia.

Foto da ONU/Eskinder Debebe

O secretário-geral da ONU, António Guterres, fala à mídia em Kiev, na Ucrânia.

Suporte para milhões

Ele disse que a ajuda humanitária que salva vidas atingiu 3,4 milhões de pessoas na Ucrânia, acrescentando que a ONU pretende mais que dobrar esse número para 8,7 milhões até o final de agosto.

Guterres disse que a assistência em dinheiro está sendo expandida e que a ONU está distribuindo US$ 100 milhões por mês, com o objetivo de alcançar 1,3 milhão de pessoas até o final de maio e cobrir dois milhões até agosto.

“Esta não é uma operação humanitária típica da ONU em um país em desenvolvimento, com muitos problemas de governança e muitas dificuldades. A Ucrânia é um país com um governo e um sistema de apoio aos seus cidadãos, e por isso o papel da ONU não é substituir esse sistema, é apoiar o Governo para apoiar o povo da Ucrânia.”

A ajuda alimentar atingiu 2,3 ​​milhões de pessoas, disse o secretário-geral, com o objetivo de ajudar quatro milhões até maio e seis milhões até junho.

Ele disse que a ONU aumentará a capacidade para atender às necessidades dos 7,7 milhões que foram deslocados dentro da Ucrânia, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) está entregando suprimentos médicos para trauma e atendimento de emergência para mais de sete milhões.

“E estamos avançando no trabalho de prestação de contas e justiça, monitorando e relatando violações de direitos humanos onde quer que sejam detectadas.”

Marco zero para o futuro

“Finalmente”, disse ele a repórteres em Kiev, “de muitas maneiras, estamos no marco zero para o mundo que precisamos construir – um mundo de respeito pelo direito internacional, a Carta da ONU e o poder do multilateralismo, um mundo que protege os civis , um mundo que promove os direitos humanos, um mundo onde os líderes vivem de acordo com os valores que prometeram defender.”

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.