O promotor no caso Pawar afirma que o motorista de Sadavarte recebeu dinheiro de trabalhadores do transporte

O promotor no caso Pawar afirma que o motorista de Sadavarte recebeu dinheiro de trabalhadores do transporte


O promotor público especial (SPP) Pradip Gharat disse na terça-feira que o motorista do advogado Gunaratna Sadavarte, Ram Katkade, foi fundamental na coleta de contribuições em nome de Sadavarte. Gharat apresentou seus argumentos durante uma audiência no Tribunal de Magistrados Metropolitanos de Girgaon para os oito acusados ​​no protesto do lado de fora da residência do chefe do PCN Sharad Pawar em 8 de abril. O tribunal reservou seu julgamento no caso.

A audiência continuará no dia 13 de abril, quando também será proferida a sentença do advogado Sadavarte. O SPP Pradip Gharat pediu a custódia policial dos restantes acusados ​​presentes no tribunal. No entanto, o conselheiro sênior Girish Kulkarni, que representa Sadavarte, argumentou contra a necessidade de interrogatório sob custódia.

Acredita-se que Mohammed Tajuddin Shaikh, Krushnath Kore, Savita Pawar e Abhishek Patil estejam no comitê central envolvido na orquestração e planejamento do ataque à residência de Pawar.

LEIA TAMBÉM | Protesto do lado de fora da residência de Sharad Pawar: custódia policial de advogado preso prorrogada até 13 de abril

Gharat argumentou que Patil havia apontado a casa de Pawar para os trabalhadores. Ele disse: “Um ativista chamado Sachidanand foi preso e revelou durante o interrogatório que havia uma reunião na casa do advogado (Sadavarte)”. A casa de Pawar foi atacada de acordo com a estratégia elaborada no dia anterior.

De acordo com ele, a polícia tem imagens de circuito interno de TV das instalações do lado de fora da casa de Pawar. Lá, Patil pode ser vista apontando para o bangalô. Savita Pawar também esteve presente em todas as localidades. As autoridades também estão tentando obter bate-papos do Whatsapp para maior clareza.

Gharat disse que o motorista de Sadvarte, Ram Katkade, tem informações confidenciais. “Ele foi fundamental na coleta de contribuições em nome de Sadvarte. É preciso apurar como esse valor foi arrecadado e é necessária a apropriação”, disse.

LEIA TAMBÉM | Trabalhadores do PCN se reúnem do lado de fora da residência de Sharad Pawar temendo protesto dos trabalhadores do transporte estatal

Gharat está exigindo um interrogatório de Katkade depois de descobrir que ele destruiu os dados em seu celular. O promotor disse ainda que toda a comunicação para planejar o protesto foi feita por meio de um canal no YouTube onde foram postados discursos e mensagens provocativas.

De acordo com Gharat, Sadavate havia recebido 530 rupias de cada funcionário da Corporação de Transporte Rodoviário Estadual de Maharashtra (MSRTC) para representá-los no tribunal. O valor total chegou a Rs 1,8 crore. Gharat disse que os promotores querem conhecer os outros beneficiários do fundo. No entanto, o advogado sênior de Sadvarte, Girish Kulkarni, disse que não há necessidade de interrogatório sob custódia. Ele perguntou se os funcionários haviam reclamado das taxas que pagavam.

A polícia de Gamdevi prendeu mais de 100 trabalhadores em greve por atirar pedras, agredir um policial e arremessar sapatos na residência de Pawar na sexta-feira, 8 de abril. Todos os trabalhadores presos foram enviados para custódia judicial por 14 dias. Sadvarte, que vem representando os trabalhadores do MSRTC, também foi detido e encaminhado à custódia policial.

LEIA TAMBÉM | Polícia de Maharashtra detém 107 trabalhadores do transporte estatal por protestar do lado de fora da casa de Sharad Pawar

A polícia disse que Sadavarte também estava em contato constante com Chandrakant Suryawanshi, que administra um canal no YouTube. Vídeos censuráveis ​​e instigantes foram encontrados postados, após o qual Suryawanshi também foi acusado de procurado no caso.

O ministro do Interior de Maharashtra, Dilip Walse Patil, disse na terça-feira que o departamento de inteligência enviou uma carta aos policiais preocupados em 4 de abril sobre um possível protesto de trabalhadores do MSRTC do lado de fora da residência do chefe do PCN Sharad Pawar, mas ainda houve um “lapso” e medidas de segurança adequadas foram não feito. Uma declaração de um policial revelou que o ataque foi pré-planejado e a polícia estava sabendo disso quase um dia antes.

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.