O que uma proibição dos EUA ao petróleo russo significaria para o mundo?

In the U.S., the Fed estimates that every $10 per barrel rise in oil prices cuts growth by 0.1 percentage point, though private forecasters see a more muted impact. (Photo: Reuters)


A Rússia é o maior exportador mundial de petróleo e derivados combinados, com cerca de 7 milhões de barris por dia (bpd) ou 7% da oferta global. Tal proibição seria sem precedentes, turbinando os preços já altíssimos e arriscando um choque inflacionário.

Aqui estão algumas das prováveis ​​consequências de uma proibição:

PREÇOS REGISTRADOS

Os governos ocidentais não sancionaram diretamente o setor de energia da Rússia, mas alguns clientes já estão evitando seu petróleo para evitar se envolver em problemas legais mais tarde.

O JP Morgan prevê que o petróleo pode atingir um recorde de US$ 185 o barril até o final de 2022 se a interrupção nas exportações russas durar tanto, embora, juntamente com a maioria dos analistas consultados pela Reuters, o banco espere um preço médio anual abaixo de US$ 100.

A última vez que os preços do petróleo estiveram acima de US$ 100 foi em 2014 e os níveis alcançados na segunda-feira não ficaram muito distantes de um pico de mais de US$ 147 atingido em julho de 2008. Essa é uma subida acentuada de dois anos atrás, quando uma queda na demanda causada pelo coronavírus viu um barril de petróleo bruto do oeste do Texas abaixo de US $ 0, pois os vendedores tiveram que pagar para se livrar dele.

“Uma guerra prolongada que causa interrupção generalizada no fornecimento de commodities pode fazer com que o Brent ultrapasse a marca de US$ 150 o barril”, disse Giovanni Staunovo, analista de commodities do UBS.

CHOQUE INFLACIONAL

Com os preços do gás natural atingindo máximas de todos os tempos, os custos crescentes da energia devem elevar a inflação acima de 7% em ambos os lados do Atlântico nos próximos meses e afetar profundamente o poder de compra das famílias.

Como regra geral, cada aumento de 10% no preço do petróleo em euros aumenta a inflação da zona do euro em 0,1 a 0,2 pontos percentuais. Desde 1º de janeiro, o petróleo Brent subiu cerca de 80% em euros. Nos EUA, cada aumento de US$ 10 por barril nos preços do petróleo aumenta a inflação em 0,2 ponto percentual.

Além de ser um grande fornecedor de petróleo e gás, a Rússia também é o maior exportador mundial de grãos e fertilizantes e um dos principais produtores de paládio, níquel, carvão e aço. A tentativa de excluir sua economia do sistema comercial atingirá uma ampla gama de indústrias e aumentará os temores globais de segurança alimentar.

ACERTE PARA CRESCIMENTO

A proibição do petróleo russo retardaria ainda mais a nascente recuperação global da pandemia de coronavírus.

Cálculos preliminares do Banco Central Europeu (BCE) sugerem que a guerra poderia reduzir o crescimento da zona do euro em 0,3 a 0,4 pontos percentuais este ano em um cenário básico e 1 ponto percentual em caso de choque severo.

Nos próximos meses, há um alto risco de estagflação, ou pouco ou mínimo crescimento aliado à alta inflação. No entanto, além disso, o crescimento da zona do euro deve permanecer robusto, mesmo que os preços das commodities sejam um empecilho.

Nos EUA, o Fed estima que cada aumento de US$ 10 por barril nos preços do petróleo reduz o crescimento em 0,1 ponto percentual, embora os analistas privados vejam um impacto mais suave.

Na Rússia, o dano provavelmente será grande e imediato. O JPMorgan estima que sua economia contrairá 12,5% do pico ao vale.

IMPACTO DO BANCO CENTRAL

Para o Federal Reserve dos EUA, o impacto inflacionário já se mostrou muito grande e seu presidente Jerome Powell disse que as taxas de juros precisam subir este mês, pressionando os mutuários.

Para o BCE, a urgência de ação política é menos aguda, pois o mercado de trabalho ainda possui capacidade ociosa e há pouca inflação interna.

“Ninguém pode esperar seriamente que o BCE comece a normalizar a política monetária em um momento de alta incerteza”, disse o economista do ING Carsten Brzeski.

SUBSTITUTOS?

Com a demanda por combustíveis fósseis se recuperando da pandemia, mas a oferta em todo o mundo ainda apertada, os formuladores de políticas estarão sob pressão para aumentar a oferta, apesar das promessas de apoiar a energia verde.

“Haverá um retrocesso nas iniciativas verdes no curto prazo, na tentativa de reverter a contração que vimos no fornecimento de combustíveis fósseis”, disse Susannah Streeter, analista sênior de investimentos e mercados da Hargreaves Lansdown.

As negociações para libertar o Irã das sanções internacionais estão em estágios avançados e os altos preços do petróleo devem galvanizar o investimento em xisto dos EUA, mas a oferta pode não estar pronta para entrar em operação em breve para substituir a produção russa.

“Os impactos potenciais da oferta são tão grandes que não há uma maneira rápida de substituir no médio prazo, o que significa que o único mitigante será a inflação de preços desses insumos e dos produtos que dependem deles”, disse Alex Collins, analista corporativo sênior. na BlueBay Asset Management.

A VISTA LONGA

O impasse russo-ocidental pode revigorar o relacionamento de Moscou com Pequim, mas a infraestrutura energética entre os dois países é escassa.

“Embora o Pivot to the East da Rússia tenha acelerado a cooperação de gás com a China por meio de infraestrutura de gás … todos esses desenvolvimentos ainda estão em sua infância em comparação com os mercados maduros da Europa”, disse Kaho Yu, principal analista da Ásia na consultoria de risco Verisk Maplecroft.

As energias renováveis ​​podem ganhar impulso no médio e longo prazo, à medida que os países procuram se livrar da energia russa.

“Devemos pegar os subsídios que agora dedicamos ao gás natural, carvão e petróleo e colocá-los em geração de energia renovável, mobilidade elétrica e infraestrutura de carregamento de veículos elétricos, bombas de calor, melhorias na eficiência dos edifícios”, disse Wolfgang Ketter, professor da Rotterdam School of Management na Erasmus University na Holanda.

“Qualquer coisa que leve à segurança energética a longo prazo, reduzindo a dependência de combustíveis fósseis.”

Inscrever-se para Boletins informativos da hortelã

* Entre com um email válido

* Obrigado por subscrever a nossa newsletter.

Nunca perca uma história! Fique conectado e informado com Mint. Baixe nosso App agora!!

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.