Por que a Ucrânia conseguiu impedir o avanço russo: 5 razões

A view of what Ukraine


Analistas dizem que seu desempenho contra um exército numericamente muito superior foi alimentado por uma combinação de boa preparação, solidariedade nacional e erros russos.

No entanto, o futuro permanece incerto, com o presidente Vladimir Putin declarando repetidamente que nada ficará entre ele e seus objetivos.

“Eles (os russos) basicamente não estão indo muito rápido”, disse uma fonte militar francesa de alto escalão, pedindo para não ser identificada. “Em algum momento, eles terão que se realinhar, mas isso não significará um fracasso.”

A AFP analisa cinco maneiras pelas quais a Ucrânia conseguiu deter o avanço russo.

– Preparação –

A Ucrânia, com a ajuda do Ocidente, reforçou substancialmente suas forças armadas após 2014, quando a Rússia anexou a península ucraniana da Crimeia em uma operação-relâmpago e separatistas pró-Rússia invadiram partes do leste do país.

Em 2016, a OTAN e Kiev iniciaram um programa de treinamento para as forças especiais ucranianas, que agora somam 2.000 e conseguiram ajudar voluntários civis.

“Os ucranianos passaram os últimos oito anos planejando, treinando e se equipando para resistir à ocupação russa”, disse Douglas London, professor adjunto da Universidade de Georgetown.

Entendendo que os EUA e a OTAN não virão em seu socorro no campo de batalha, a estratégia da Ucrânia concentrou-se “em sangrar Moscou para tornar a ocupação insustentável”, escreveu o veterano da CIA em Relações Exteriores.

– Conhecimento local –

A Rússia, confiando na familiaridade da era soviética com uma área que Moscou controlava sob a URSS, parece ter subestimado a vantagem de território das forças ucranianas.

Isso incluiu tanto o conhecimento do terreno – em uma época do ano em que os trilhos podem se transformar em lama – quanto a capacidade dos moradores de se armarem contra as forças invasoras.

Em tal cenário de guerra irregular, forças mais fracas podem maximizar as vantagens que têm sobre seus oponentes mais fortes – “vantagens de terreno, conhecimento local e conexões sociais”, disse Spencer Meredith, professor da Faculdade de Assuntos de Segurança Internacional.

Os desafios aumentarão ainda mais se a luta urbana se desenvolver quando a Rússia tentar penetrar em cidades como Kiev.

“Isso muda tudo”, disse a fonte militar francesa. “Os russos terão problemas em cada esquina, prédio por prédio.”

– Solidariedade –

Liderados pelo presidente Volodymyr Zelensky, que permaneceu em Kiev apesar do risco de sua vida quando a Rússia entra na região da capital, os ucranianos mostraram a mais profunda resiliência na adversidade.

Cidadãos comuns se voluntariaram para a linha de frente, muitas vezes depois de garantir que suas famílias fossem levadas com segurança para a segurança no oeste do país ou fora de suas fronteiras.

Imagens que circulam online mostram pessoas comuns fazendo coquetéis molotov ou fazendeiros rebocando equipamentos militares russos capturados.

A Ucrânia não teve “outra escolha a não ser aumentar ainda mais sua capacidade de guerra de atrito por meio de treinamento rápido de tropas territoriais e uso de armamento leve”, disse o coronel francês aposentado Michel Goya.

– Erros estratégicos –

Analistas militares dizem que a Rússia cometeu erros estratégicos nos primeiros dias da invasão depois que ela foi lançada em 24 de fevereiro, enviando poucas tropas terrestres na fase inicial e não conseguindo que forças terrestres e aéreas trabalhassem em conjunto.

Parece que Moscou espera alcançar o sucesso militar em poucos dias.

“No início, eles pensaram que poderiam introduzir unidades muito rapidamente na capital Kiev… Mas muito cedo eles ficaram com o nariz sangrando”, disse Michael Kofman, diretor do Programa de Estudos da Rússia no Centro de Análises Navais dos EUA.

“As suposições eram ridículas… como você poderia tomar Kiev em três dias? Os militares russos agora se ajustaram e estão tentando conduzir isso como uma operação de armas combinadas”, disse ele.

– Medo psicológico –

A Rússia disparou alarmes em todo o mundo ao manter dezenas de milhares de soldados posicionados perto da fronteira com a Ucrânia nas últimas semanas.

Mas é possível que poucos tivessem ideia de que estavam prestes a ser enviados para a guerra em um país vizinho cujos habitantes são eslavos e onde muitos falam russo como língua materna.

O moral não terá sido ajudado pelas pesadas baixas russas que, segundo a fonte francesa, incluíram pelo menos um major-general – um sinal de que a elite militar se sentiu compelida a visitar a linha de frente.

Tom Pepinsky, membro sênior não residente da Brookings Institution, disse que as evidências até agora sugerem que o tratamento da Ucrânia aos prisioneiros de guerra russos pode se tornar mais severo à medida que os invasores avançam no país.

“A resistência ucraniana será mais eficaz se os russos estiverem no limite, sem dormir e propensos a reações exageradas”, disse ele.

Esta história foi publicada a partir de um feed de agência de notícias sem modificações no texto. Apenas o título foi alterado.

Inscrever-se para Boletins informativos da hortelã

* Entre com um email válido

* Obrigado por subscrever a nossa newsletter.

Nunca perca uma história! Fique conectado e informado com Mint. Baixe nosso App agora!!

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.