Rússia diz que interromperá operações na Ucrânia ‘em um momento’ se…

Vladimir Putin (AP)


Dmitry Peskov disse que Moscou está exigindo que a Ucrânia cesse a ação militar, mude sua constituição para consagrar a neutralidade, reconheça a Crimeia como território russo e reconheça as repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk como estados independentes.

Foi a declaração russa mais explícita até agora dos termos que quer impor à Ucrânia para interromper o que chama de “operação militar especial”, agora em seu 12º dia.

Peskov disse à Reuters em entrevista por telefone que a Ucrânia estava ciente das condições. “E eles foram informados de que tudo isso pode ser interrompido em um momento.”

Rússia estabelece cessar-fogo para evacuações, mas batalhas continuam

A Rússia anunciou mais um cessar-fogo e um punhado de corredores humanitários para permitir que civis fujam da Ucrânia a partir de segunda-feira, embora as rotas de evacuação estivessem levando principalmente à Rússia e sua aliada Bielorrússia, atraindo críticas da Ucrânia e outros.

Não ficou imediatamente claro se alguma evacuação estava ocorrendo. As forças russas continuaram a atacar algumas cidades ucranianas com foguetes, mesmo após o novo anúncio de corredores e os combates ferozes continuaram em algumas áreas, indicando que não haveria uma interrupção mais ampla das hostilidades.

A Rússia atacou a Ucrânia pelo norte, leste e sul, atacando cidades como Kiev, Kharkiv e o porto de Mariupol. A invasão, lançada em 24 de fevereiro, causou a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, provocou indignação em todo o mundo e levou a pesadas sanções contra Moscou.

Mas o porta-voz do Kremlin insistiu que a Rússia não está tentando fazer mais reivindicações territoriais sobre a Ucrânia e disse que “não é verdade” que está exigindo que Kiev seja entregue.

“Nós realmente estamos terminando a desmilitarização da Ucrânia. Nós vamos terminar isso. Mas o principal é que a Ucrânia cesse sua ação militar. Eles deveriam parar sua ação militar e então ninguém atirará”, disse ele.

Sobre a questão da neutralidade, Peskov disse: “Eles deveriam fazer emendas à constituição segundo as quais a Ucrânia rejeitaria qualquer objetivo de entrar em qualquer bloco”.

Ele acrescentou: “Também falamos sobre como eles devem reconhecer que a Crimeia é território russo e que eles precisam reconhecer que Donetsk e Lugansk são estados independentes. E é isso. Isso vai parar em um momento.”

Novas conversas

O delineamento das demandas da Rússia veio enquanto delegações da Rússia e da Ucrânia se preparavam para se reunir na segunda-feira para uma terceira rodada de negociações com o objetivo de encerrar a guerra da Rússia contra a Ucrânia.

Tudo começou logo depois que Putin reconheceu duas regiões separatistas do leste da Ucrânia, onde separatistas apoiados pela Rússia combatem as forças do governo ucraniano desde 2014, como independentes – uma ação denunciada como ilegal pelo Ocidente.

“Não somos nós tomando Lugansk e Donetsk da Ucrânia. Donetsk e Lugansk não querem fazer parte da Ucrânia. Mas isso não significa que eles devam ser destruídos como resultado”, disse Peskov.

“Para o resto. A Ucrânia é um estado independente que viverá como quiser, mas sob condições de neutralidade.”

Ele disse que todas as demandas foram formuladas e entregues durante as duas primeiras rodadas de conversas entre as delegações russa e ucraniana, que ocorreram na semana passada.

“Esperamos que tudo corra bem e que reajam de forma adequada”, disse Peskov.

A Rússia foi forçada a tomar medidas decisivas para forçar a desmilitarização da Ucrânia, disse ele, em vez de apenas reconhecer a independência das regiões separatistas.

Isso foi para proteger a população de 3 milhões de falantes de russo nessas repúblicas, que ele disse estar sendo ameaçada por 100.000 soldados ucranianos.

“Nós não podíamos simplesmente reconhecê-los. O que faríamos com o exército de 100.000 homens que estava na fronteira de Donetsk e Lugansk que poderia atacar a qualquer momento. Eles estavam recebendo armas americanas e britânicas o tempo todo”, disse ele. disse.

No período que antecedeu a invasão russa, a Ucrânia negou repetida e enfaticamente as afirmações de Moscou de que estava prestes a montar uma ofensiva para retomar à força as regiões separatistas.

Peskov disse que a situação na Ucrânia representa uma ameaça muito maior à segurança da Rússia do que em 2014, quando a Rússia também reuniu 150.000 soldados em sua fronteira com a Ucrânia, provocando temores de uma invasão russa, mas limitou sua ação à anexação de Crimeia.

“Desde então, a situação piorou para nós. Em 2014, eles começaram a fornecer armas para a Ucrânia e preparar o exército para a Otan, alinhando-o aos padrões da Otan”, disse ele.

“No final, o que mudou a balança foram as vidas desses 3 milhões de pessoas em Donbass. Nós entendemos que eles seriam atacados.”

Peskov disse que a Rússia também teve que agir diante da ameaça que percebeu da Otan, dizendo que era “apenas uma questão de tempo” antes que a aliança colocasse mísseis na Ucrânia, como fez na Polônia e na Romênia.

“Acabamos de entender que não podíamos mais tolerar isso. Tínhamos que agir”, disse ele.

O Ocidente apoiou amplamente a Ucrânia, oferecendo ajuda e remessas de armas e golpeando a Rússia com vastas sanções. Mas nenhuma tropa da OTAN foi enviada para a Ucrânia.

Zelenskyy criticou os líderes ocidentais por não responderem com mais força à Rússia. Ele apelou novamente na segunda-feira por uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia ou “aeronaves de combate e defesas aéreas que nos darão a força de que precisamos”.

Inscrever-se para Boletim Informativo

* Entre com um email válido

* Obrigado por subscrever a nossa newsletter.

Nunca perca uma história! Fique conectado e informado com Mint. Baixe nosso App agora!!

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.