Yoon Suk Yeol: Como o novo presidente sul-coreano poderia abalar a Ásia

Yoon Suk Yeol: Como o novo presidente sul-coreano poderia abalar a Ásia


Yoon é um recém-chegado à política, tendo passado os últimos 27 anos de sua carreira como promotor – mas ele enfrentará uma série de desafios quando substituir o presidente liberal Moon Jae-in na Casa Azul em 10 de maio.

Aqui está o que uma presidência de Yoon pode significar para a Coreia do Sul.

Linha dura na Coreia do Norte

Grande parte da campanha de Yoon se concentrou em sua postura dura em relação à Coreia do Norte – um afastamento da abordagem atual de Moon, que promoveu consistentemente o diálogo e a reconciliação pacífica.

As relações intercoreanas têm sido uma questão eleitoral importante, com as tensões aumentando em meio a um recente aumento nos testes de mísseis norte-coreanos. O país lançou nove testes de mísseis somente em 2022, incluindo um novo tipo de “míssil hipersônico” capaz de manobrar em alta velocidade – provocando condenação do Sul.

As negociações entre as duas Coreias estão paralisadas desde que uma cúpula planejada entre EUA e Coreia do Norte desmoronou em 2019, disse Cheong Seong-chang, diretor do Centro de Estudos Norte-coreanos do Instituto Sejong, antes da eleição. “É improvável esperar algum progresso nas negociações de desnuclearização, a menos que o próximo governo apresente uma solução sofisticada de desnuclearização que seja aceitável tanto para os EUA quanto para a Coreia do Norte”, acrescentou.

A Coreia do Norte se vangloria de 'abalar o mundo'  testando mísseis que podem atingir os EUA

O principal rival de Yoon na eleição, Lee, do Partido Democrata, havia apoiado o tipo de engajamento recíproco e baseado na confiança buscado por Moon. Yoon, por outro lado, prometeu fortalecer as forças armadas da Coreia do Sul, mesmo insinuando que lançaria um ataque preventivo se visse sinais de um lançamento ofensivo contra Seul.

Ao longo de sua campanha, Yoon criticou a “política subserviente da Coreia do Norte” do Partido Democrata, prometendo não aliviar as sanções ou preparar um tratado de paz até que o Norte “faça esforços ativos na desnuclearização completa e verificável”.

Falando em Seul em 24 de janeiro, Yoon acrescentou que a porta para a diplomacia e o diálogo “sempre será deixada aberta” – mas que ele buscará uma paz que seja “baseada em uma forte postura de defesa nacional, não de submissão”.

“Construiremos uma força militar poderosa que pode seguramente impedir qualquer provocação para proteger a segurança e a propriedade de nossos cidadãos e salvaguardar a integridade territorial e a soberania de nossa nação”, disse Yoon.

Mas especialistas alertam que essa linha mais dura pode piorar as relações entre os dois países. Alguns temem que as tensões militares possam retornar aos níveis de crise vistos em 2017, quando os testes e avanços agressivos de armas da Coreia do Norte provocaram demonstrações de força militar entre EUA e Coreia do Sul, bem como uma ameaça do então presidente dos EUA, Donald Trump para desencadear “fogo e fúria como o mundo nunca viu”.

Cheong, do Instituto Sejong, disse que parecia claro que a eleição de Yoon faria com que as relações intercoreanas “voltassem ao relacionamento hostil da era da Guerra Fria”.

A corda bamba EUA-China

A vitória de Yoon também provavelmente mudará o relacionamento da Coreia do Sul com duas superpotências globais rivais: os EUA e a China.

Durante anos, o país andou na corda bamba de uma estreita aliança de segurança com os EUA e um relacionamento econômico crescente com a China – mas “o tempo e o período para esse tipo de tradição estão terminando”, disse Kim Jiyoon, pesquisador da Sogang. Instituto de Ciências Sociais da Universidade.

Enquanto Lee sugeriu que tentaria equilibrar as duas parcerias, Yoon deixou claro qual ele priorizará.

“A Coreia do Sul e os Estados Unidos compartilham uma aliança forjada em sangue enquanto lutamos juntos para proteger a liberdade contra a tirania do comunismo”, disse Yoon em janeiro, acrescentando que o país deve “reconstruir essa aliança”.

Como parte desse esforço, Yoon sugeriu que buscaria a instalação de um segundo sistema de mísseis antibalísticos – o que sem dúvida provocaria a fúria da China.

A Coréia do Sul e a China podem consertar as coisas sobre o THAAD?
A Coreia do Sul anunciou pela primeira vez em 2016 que implantaria o sistema de defesa Terminal High Altitude Area Defense (THAAD) construído nos EUA para se defender contra ameaças de mísseis norte-coreanos. Isso desencadeou uma disputa diplomática de um ano com a China, que argumentou que o sistema de mísseis colocaria em risco sua própria segurança nacional.
Também viu o sentimento público azedar entre os dois, com alguns cidadãos chineses pedindo boicotes a produtos sul-coreanos e até mesmo destruindo produtos populares como maquiagem em protestos performáticos.

Sob a nova administração, “é inevitável que as relações Coreia do Sul-China se deteriorem novamente, estreitando ainda mais a posição diplomática da Coreia do Sul e dando um certo golpe na economia coreana”, disse Cheong.

Yoon também apontou as vantagens tecnológicas de uma aliança mais próxima com os EUA, argumentando que poderia ajudar a Coreia do Sul a manter sua vantagem contra “nações competitivas, incluindo a China”.

Em uma cúpula no ano passado entre Moon e o presidente dos EUA, Joe Biden, ambos os líderes reafirmaram sua aliança militar e concordaram em expandir a cooperação nas áreas de tecnologia, economia, meio ambiente e saúde pública. Uma declaração conjunta posteriormente elogiou a relação EUA-Coreia do Sul como “o eixo para estabilidade e prosperidade”.

A posição de Yoon reflete o sentimento público no sul, que atualmente é “falcão e muito linha-dura”, disse Kim, da Universidade Sogang. Este é provavelmente “o maior antagonismo para a China compartilhado pelo público coreano – o que significa um sentimento muito forte e amigável em relação aos Estados Unidos”, acrescentou.

Esse sentimento parece ser recíproco. Biden e Yoon tiveram uma ligação na quinta-feira, com o presidente dos EUA convidando Yoon para visitar a Casa Branca. Biden acrescentou que espera relações bilaterais mais profundas com a Coreia do Sul e que “uma coordenação estreita… em relação à política norte-coreana será importante”.

Problemas em casa

Yoon também enfrenta muitos desafios em casa, incluindo a pandemia de Covid-19, corrupção, política polarizada – e igualdade de gênero, outra questão importante que definiu esta eleição.

Guerra de gênero na Coreia do Sul intensificou-se no período que antecedeu as eleições, com os jovens eleitores cada vez mais divididos em termos de gênero.

Enfrentando um mercado de trabalho hipercompetitivo e preços de moradia em disparada, as chamadas “antifeministas” alegaram que a tentativa do país de lidar com a desigualdade de gênero pendeu demais a favor das mulheres. Enquanto isso, as feministas apontaram a violência sexual generalizada no país, as expectativas de gênero arraigadas e a baixa representação feminina nas salas de reuniões e na política como exemplos de como a discriminação contra as mulheres ainda é abundante.

Como o feminismo se tornou um tema quente nas eleições presidenciais da Coreia do Sul

Ambos os principais candidatos presidenciais se inclinaram para a questão, com Lee expressando apoio aos direitos das mulheres enquanto Yoon cortejava ativamente votos entre antifeministas. Uma das principais promessas de campanha de Yoon foi abolir o Ministério da Igualdade de Gênero e Família – alegando que é injusto com os homens. Ele também prometeu aumentar a pena por denunciar falsamente crimes sexuais.

A CNN abordou o escritório de Yoon para comentar sobre suas políticas de gênero, mas não recebeu resposta.

As antifeministas se tornaram um poderoso bloco eleitoral na Coreia do Sul. Em abril passado, o Partido Democrata de Moon perdeu as eleições para prefeito em Seul e em sua segunda maior cidade, Busan, com pesquisas de boca de urna mostrando que jovens na faixa dos 20 anos mudaram seu voto para o Partido do Poder Popular de Yoon.

À medida que a eleição se aproximava, alguns temiam que, se Yoon vencesse, as divisões de gênero pudessem aumentar ainda mais, e o movimento pelos direitos das mulheres poderia retroceder.

“A diferença de gênero é a maior entre a geração jovem”, disse Kim. “Se você for até a geração mais velha, na verdade está convergindo, mas é a mais ampla e divergente entre as jovens do sexo feminino e os jovens do sexo masculino.”

Gostou? Compartilhe!

Você vai gostar também

Copyright © 2022 Viaje no Detalhe. Todos os direitos reservados.